Você esta em:
0800 602 2828 | WhatsApp (41) 99900-5734
    17-nov-2016 às 13:39

    USO DO REANIMADOR DE MULLER COMO RECURSO TERAPÊUTICO EM PACIENTES COM DRENAGEM TORÁCICA

    [addtoany]

    Avaliar a utilização do equipamento Reanimador de Muller como recurso fisioterapêutico em relação às técnicas fisioterapêuticas convencionais no tratamento de pacientes submetidos ao uso de dreno de tórax.

    Chest therapy with intermitente positive pressure: A comparative analysis compared to conventional treatment in the removal of chest drain

    Ana Paula Ragonete dos Anjos1, Luciana Castilho Figueiredo1, Ivaneide de Paula Barros Lemos2, Luis Eiras Falcão1, Desanka Dragosovac1, Luiz Cláudio Martins1

    RESUMO

    Contextualização e objetivo: avaliar a utilização do equipamento Reanimador de Muller como recurso fisioterapêutico em relação às técnicas fisioterapêuticas convencionais no tratamento de pacientes submetidos ao uso de dreno de tórax.  Método: Estudo randomizado, prospectivo, comparativo e descritivo. Foi mensurado a ventilometria pulmonar e dispneia pre e pós o tratamento fisioterapêutico, saturação arterial periférica e escala de dor antes e após as sessões de fisioterapia diária do grupo controle submetidos às técnicas manuais e ao incentivador respiratório. Do grupo estudo, os indivíduos foram submetidos a técnica com Reanimador de Muller. Para comparação dos valores obtidos dos grupos foi utilizado foi utilizada a Análise de Variância de medidas repetidas (ANOVA), teste de Mann Withney e test T, coeficiente de Spearman. Resultado: Houve diferença estatísticas entre os valores pré e pós intervenção fisioterapêutica intragrupos da variável de volume minuto, volume corrente e dispneia (p<0.001). O valor de frequência respiratória no momento pós intervenção foi maior no grupo estudo (p=0.031).Quanto a variável de saturação periférica de oxigênio apresentaram diferença (p<0.001) intra grupos antes e após sessão de fisioterapia. A percepção de dor, tempo de internação e tempo de dreno não foram observadas diferenças estatísticas. Conclusão: Ambas as técnicas fisioterapêuticas nos pacientes com dreno de tórax, melhoram a saturação periférica, dispneia, volume corrente e volume minuto, sendo assim, sugere-se melhora da expansão pulmonar.

    Palavras-Chave: fisioterapia, respiração pressão positiva intermitente, doenças pleurais, cirurgia torácica, complicações pós-operatórias, Clinical trials: NCT0247204

    ABSTRACT

    Context and objective: Evaluate the use of Muller Resuscitator equipment as a physical therapy resource in relation to conventional physical therapy techniques in the treatment of patients with the use of chest drain. Method: Randomized, prospective, comparative and descriptive. It was measured pulmonary ventilometry and dyspnea pre and post chest therapy, peripheral arterial saturation and pain scale before and after the daily sessions of physiotherapy control group subjected to manual techniques and incentive spirometry. In the study, subjects underwent the technique with Muller Resuscitator. To compare the values of the groups was used was used repeated measures analysis of variance (ANOVA), Mann Whitney test and test T, Spearman coefficient. Results: There was statistical difference between pre and post physical therapy intragroup intervention minute volume variable, tidal volume and dyspnea (p <0.001). The value of respiratory rate in the post intervention time was higher in the study group (p = 0.031). As peripheral oxygen saturation variable showed differences (p <0.001) intra groups before and after physical therapy session. The perception of pain, hospitalization time and drain time statistical differences were observed. Conclusion: Either chest therapy techniques in patients with chest tube, improve peripheral saturation, dyspnea, tidal volume and minute volume, so it is suggested improvement in lung expansion.

    Keywords: physiotherapy, intermittent positive pressure breathing, pleural diseases, thoracic surgery, postoperative complications.

    SOBRE OS AUTORES

    1. Departamento de Pós-graduação em Cirurgia da Unicamp, Campinas, São Paulo, Brasil.
    2. Hospital Santa Casa de Passos, Minas Gerais

    AUTOR CORRESPONDENTE

    Autor correspondente: Ana Paula Ragonete dos Anjos Agostini

    Rua Tiradentes, 79, Centro, Guaxupé, Minas Gerais

    [email protected]

    35 992015986

    Deixe um comentário