Você esta em:
0800 602 2828 | WhatsApp (41) 99900-5734
    21-out-2014 às 18:55

    SOBRECARGAS NEUROSENSORIAIS NO RECÉM-NASCIDO: UMA VISÃO DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA NEONATAL

    [addtoany]

    Overloads neurosensory in newborn: a vision of health in neonatal
    intensive care unit

    Daniela Moreira Quinto de Sousa Guimarães1, Andrieli Cristina Araújo Melo2 , Soráia Aline de Almeida Ribeiro3

    O Acidente Vascular Encefálico (AVE) segundo a organização mundial de saúde (OMS), é definido como um sinal clínico de rápido desenvolvimento de perturbação focal na função cerebral com mais de 24 horas de duração. A mobilização neural é como um conjunto de técnicas que tem como objetivo impor ao sistema nervoso maior tensão, mediante determinadas posturas para que, em seguida, sejam aplicados movimentos lentos e rítmicos direcionados aos nervos periféricos e à medula espinhal.

    RESUMO

    O recém-nascido (RN) prematuro e de baixo peso apresenta desenvolvimento morfológico e fisiológico imaturo, necessitando de cuidados diferenciados para sua condição. A identificação do processo de trabalho na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN) permite compreender a percepção da equipe quanto aos elementos constituintes às medidas adotadas do processo de trabalho na assistência prestada ao RN. O objetivo deste estudo foi de verificar se a equipe multiprofissional que atua na UTIN consegue identificar as sobrecargas neurosensoriais no RN, a partir de uma categorização das percepções da equipe sobre seu objeto de trabalho e dos métodos utilizados para aproximar-se do neonato. O grupo avaliado foi composto de 50 profissionais que responderam a um questionário com perguntas sobre sua profissão, seu dia a dia e sobre seus conhecimentos na UTIN. A análise de variância foi realizada pelo teste de médias e desvio padrão o software Microsoft Office Excel®. Os resultados demonstraram 86% dos respondentes afirmaram objetivamente entender a respeito das sobrecargas sensoriais em neonatos, mas apenas 54% conseguiram responder de forma subjetiva ao questionamento de quais seriam essas sobrecargas. Quando comparados os subgrupos, os indivíduos com menor experiência eram do grupo com mais conhecimento cerca de 71%. Concluímos que os profissionais de saúde que trabalham nas unidades pesquisadas não têm conhecimento profundo sobre as sobrecargas sensoriais em neonatos, nem as consequências das mesmas no SNC desses.

    Palavras-chave: Recém-Nascido, Comportamento do lactente, Unidade de Terapia Intensiva Neonatal, Humanização da Assistência

    ABSTRACT

    The newborn (RN) premature and underweight presents morphological development and physiological immature and need special care for their condition. The identification of the work process allows the neonatal intensive care unit (NICU) staff understand the perception of constituents regarding the measures adopted in the process of work in assisting the RN. The aim of this study was to determine whether multidisciplinary team that works in the NICU can identify overloads in neurosensory RN, from a categorization of staff perceptions about their object of study and the methods used to approach the neonate. The evaluated group was composed of 50 professionals who responded to a questionnaire about their profession, their daily lives and on their knowledge in the NICU. The analysis of variance test was used for means and standard deviations of the software Microsoft Office Excel ®. The results showed 86% of respondents said objectively understand about the sensory overload in neonates, but only 54% were able to respond to the subjective question of what those overloads. When comparing the subgroups, those with less experience were more knowledgeable group of about 71%. We conclude that health professionals working in the units surveyed do not have deep knowledge about the sensory overload in neonates, nor their consequences in the CNS of these.

    Keywords: Newborn, Infant Behavior, Neonatal Intensive Care Unit, Humanization of Care.

    Recebido:06/13
    Aceito: 09/13

    Sobre o autor:

    1- Fisioterapeuta pelo Centro Universitário Luterano de Ji-Paraná – CEULJI/ULBRA, Pós-graduada em Fisioterapia Cardiorrespiratória – Inspirar/CESUMAR, Fisioterapia em Terapia Intensiva – Faculdade Inspirar, Especialista em Terapia Intensiva – ASSOBRAFIR/COFFITO, Mestre em Terapia Intensiva – SOBRATI, Coordenadora do Núcleo de Fisioterapia – Hospital Estadual e Pronto Socorro João Paulo II, Docente da Faculdade Interamericana de Porto Velho – UNIRON.
    2- Fisioterapeuta pela Faculdade São Lucas em Porto Velho – RO, Pós-graduada em Fisioterapia em Terapia Intensiva – Faculdade Inspirar.
    3- Fisioterapeuta pela Faculdade São Lucas em Porto Velho – RO, Pós-graduada em Fisioterapia em Terapia Intensiva – Faculdade Inspirar.

    Autor para correspondência:

    Daniela Moreira Quinto de Sousa Guimarães
    Endereço para correspondência: Rua Eustáquio Silvestre, 4478 – apto 7
    Bairro Nova Esperança – Porto Velho – RO.
    Email: [email protected]


    [su_button url=”https://inspirar.com.br/wp-content/uploads/2014/10/artigo-347.pdf” target=”blank” icon=”icon: file-pdf-o”]Fazer download em PDF do artigo completo![/su_button]

    Deixe um comentário