Você esta em:
0800 602 2828 | WhatsApp (41) 99900-5734
    28-dez-2010 às 10:10

    Hipotermina Terapêutica: Emprego em Pacientes Comatosos Sobreviventes de Parada Cardíaca

    [addtoany]

    Therapeutic Hypothermia: Use in Comatoses Pacients after Cardiac Arrest

    Rangel Dionizio Magalhães¹, Andre Hoffmann²

    As doenças cardiovasculares lideram entre as causas de óbito no mundo. A parada cardíaca (PCR) é a via final de várias dessas doenças. É um evento devastador, pois o organismo entra em um estado de hipóxia global. Embora haja diferenças na capacidade de cada tecido em suportar este estado tão adverso, o óbito fatalmente acontecerá se a parada não for revertida a tempo.

    RESUMO

    As doenças cardiovasculares lideram entre as causas de óbito no mundo. A parada cardíaca (PCR) é a via final de várias dessas doenças. É um evento devastador, pois o organismo entra em um estado de hipóxia global. Embora haja diferenças na capacidade de cada tecido em suportar este estado tão adverso, o óbito fatalmente acontecerá se a parada não for revertida a tempo. Várias estratégias terapêuticas foram avaliadas nos últimos anos, como o uso de certas drogas farmacológicas específicas, para tentar melhorar os desfechos de quem sofre uma PCR. Porém, invariavelmente, a grande maioria não se mostrou promissora. A Hipotermia Terapêutica (HT), que havia ficado esquecida durante alguns anos, mostrou-se capaz de diminuir tanto a mortalidade desses pacientes quanto as seqüelas neurológicas dos sobreviventes. Apesar disso, sua implementação tem sido lenta em várias partes do mundo, realidade esta que deve ser mudada devido ao seu grande potencial terapêutico. O objetivo deste estudo foi avaliar as evidências disponíveis acerca do emprego da HT em sobreviventes de parada cardíaca. Para isso, fez-se uma busca da literatura dos últimos 10 anos nas bases de dados Highwire e Medline selecionando-se 32 artigos ao final. Verificou-se que as evidências hoje disponíveis são baseadas, sobretudo em 10 ensaios clínicos e que são robustas o suficiente para se indicar o emprego da HT após uma PCR, especialmente no subgrupo de pacientes que tiveram FV ou TV sem pulso como ritmo inicial de apresentação.

    Palavras-chave: Parada Cardiorrespiratória. Hipotermia Terapêutica

    ABSTRACT

    The cardiovascular diseases lead the causes of deaths worldwide. And the cardiac arrest is the end point of many of these diseases. It is a devastating state because the body undergoes into a global ischemia. Although there are differences in the capacity of each tissue in tolerating this so harmful state, the death will happen inevitably if the arrest is not reverted in time. Many therapeutic strategies were assessed in the previous years, like the use of some specific drugs, aiming to improve the outcomes of patients that experimented a cardiac arrest. Unhappily, the majority didn’t show to be promising. The Therapeutic Hypothermia (TH), wich has been forgotten for a while, was able to decrease both mortality and neurological dysfunction among the survivors. Regardless this datum, the use of Therapeutic Hypothermia has been slow in many parts of the world regarding what should be changed because of its huge therapeutic potential. The objective of this study was to evaluate the available evidences about de use of TH in survivors from a  cardiac arrest. A search has been done of the literature from the last 10 years on the databases Highwire and Medline and picked out 32 issues. It was verified that the evidences are mainly based on 10 clinics assays and are strong enough to council the use of the TH after a cardiac arrest, especially in the patients who had the VF or VT pulse less as the presenting rithym.

    Key-words: Cardiopulmonary arrest. Therapeutic hypothermia.

    Sobre os Autores

    1. Médico Generalista, Pós-Graduado em Emergências Clínicas pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná
    2. Enfermeiro, Fisioterapeuta. Professor do Programa de Pós-graduação da Faculdade Inspirar.

    Recebido: 25/09/2010
    Aceito: 16/12/2010
    Autor para correspondência: Rangel Dionizio Magalhães
    E-mail: [email protected]

    Deixe um comentário