Você esta em:
0800 602 2828 | WhatsApp (41) 99900-5734
    15-jan-2015 às 17:19

    FISIOTERAPIA NA ESCOLA: AVALIAÇÃO POSTURAL EM CRIANÇAS DE 6 A 11 ANOS.

    [addtoany]

    PHYSICAL THERAPY AT SCHOOL: POSTURAL EVALUATION IN 6 TO 11 YEARS OLD CHILDREN.

    Gabriele Klüsener¹; Daniela Veber Gularte Porto² 

    Introdução: A idade é um fator importante na morfologia da coluna vertebral, sendo a fase escolar um período marcado por alterações repentinas e desordenadas do corpo, as quais podem facilitar o aparecimento ou acentuar os desvios na postura. Objetivos: Avaliar a postura de crianças de 6 a 11 anos de uma escola particular do município de Cachoeira do Sul- RS, identificando a prevalência das alterações que necessitam de intervenção precoce.

    RESUMO

    Introdução: A idade é um fator importante na morfologia da coluna vertebral, sendo a fase escolar um período marcado por alterações repentinas e desordenadas do corpo, as quais podem facilitar o aparecimento ou acentuar os desvios na postura. Objetivos: Avaliar a postura de crianças de 6 a 11 anos de uma escola particular do município de Cachoeira do Sul- RS, identificando a prevalência das alterações que necessitam de intervenção precoce. Materiais e métodos: Foram avaliadas 41 crianças através de uma ficha de avaliação elaborada pela pesquisadora baseada no livro: “Diagnóstico Clínico Postural”, de Ângela Santos, a qual constou de características como: pelve, pés, joelhos, tronco, cintura escapular e coluna cervical. Resultados: Todas as crianças apresentaram pelo menos uma alteração postural, sendo 26,83% do sexo masculino e 46,30% do sexo feminino. As alterações posturais possuem correlação positiva moderada ou fraca em relação às faixas etárias; não demonstrando resultados significativos. Conforme a tabela da ABESO (Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica), 70,7% dos indivíduos se enquadravam Eutróficos ou Normais, 17,1% indivíduos se enquadravam acima do peso ou sobrepeso e 5 (12,2%) indivíduos se enquadravam como obesos. As alterações no IMC, obesos e acima do peso, possuem respectivamente correlação positiva fraca e moderada em relação às faixas etárias. Não demonstrando resultados significativos. Considerações finais: Concluiu-se que a avaliação postural, na escola, realizada por profissionais fisioterapeutas, pode contribuir para a sociedade em que vivemos, evitando enfermidades futuras e melhorando o rendimento da criança.

    Palavras-chave: prevalência; postura; criança.

    ABSTRACT

    Introduction: Age is an important factor in vertebral column’s morphology being school stage a period marked by sudden and unorganized alterations in the body which can easy the appearing or accentuate the deviations in posture. Objectives: Evaluate the posture in 6 to 11 years old children of a private school in the city of Cachoeira do Sul – RS, Identify the prevalence of alterations that need a premature intervention. Materials and methods: 41children were evaluated through an evaluation form made by the researcher based on Ângela Santos’s book “Postural Clinical Diagnosis” which consisted of characteristics such as: pelvis, feet, knees, torso, shoulder girdle and cervical spine. Results: All children presented at least one postural alteration, being 26.83% male and 46.30% female. Postural alterations have positive moderate or weak correlation regarding ages. Not showing significant results. According to ABESO’s chart (Brazilian association for study of Obesity and Metabolic Syndrome) 70.7% of individuals fit as Eutrophic or Normal, 17.1% of individuals fit as overweight and 5 (12.2%) individuals fit as obese. The alterations in BMI (body mass index), obese and overweight have positive weak and moderate correlation respectively regarding age. Not showing significant results. Final Considerations: It has been concluded that posture evaluation at school performed by physical therapists may contribute for society in which we live in avoiding future diseases and improving the child’s productivity.

    Keywords: prevalence; posture; child.

    Sobre o autor:

    1 – Acadêmica do 8º semestre do curso de fisioterapia, Universidade Luterana do Brasil [ULBRA], campus Cachoeira do Sul, e-mail [email protected]
    2 – Docente do curso de fisioterapia na Universidade Luterana do Brasil [ULBRA], campus Cachoeira do Sul, e-mail [email protected]

    Deixe um comentário