Você esta em:
0800 602 2828 | WhatsApp (41) 99900-5734
    13-set-2011 às 09:06

    Capacidade de Contração do Tecido Fascial: Artigo de Revisão

    [addtoany]

    Ability of Fascial Tissue Contraction: Review Article

    Natàlia Folco Scodeler¹; Carla Spadaccia Bissotto²; Arthur Bellenzani Neto³; Sérgio Jorge4

     

    É crescente a atenção dada ao tecido conjuntivo fascial, por ser um importante meio de conexão estrutural do corpo humano, que interliga cada célula como uma rede conectiva tridimensional, tendo inserções desde o crânio até os pés. Porém, existem diversas questões a ser estudadas acerca de sua capacidade de realizar contração, o que tem sido especulado por alguns autores.

     RESUMO

    É crescente a atenção dada ao tecido conjuntivo fascial, por ser um importante meio de conexão estrutural do corpo humano, que interliga cada célula como uma rede conectiva tridimensional, tendo inserções desde o crânio até os pés. Porém, existem diversas questões a ser estudadas acerca de sua capacidade de realizar contração, o que tem sido especulado por alguns autores. Portanto, no presente trabalho, objetivou-se revisar os estudos sobre o tecido fascial e sua importância relacionada aos aspectos contráteis de sua formação, e sua devida influência na biomecânica corporal. Desta forma, foi realizada uma revisão bibliográfica não-sistemática, sendo analisados artigos científicos de periódicos indexados nas bases de dados Bireme, Medline, Lilacs, SciELO, PEDro, PubMed, além de livros, sites de conteúdo científico e trabalhos apresentados em congressos científicos, entre os anos de 1992 à fevereiro de 2010. Como resultado, verificou-se hipóteses em que a fáscia apresentaria contração ativa, devido à presença de células musculares lisas, podendo assim, interferir na biomecânica corporal, mas estudos posteriores desvendaram que esta contração não passaria de uma maior hidratação do tecido fascial. Ainda foram encontrados estudos que buscaram indução medicamentosa de contração, além da indução por eletroestimulação, porém ambos com resultados inconclusivos. Portanto, sugere-se a necessidade de estudos mais bem formulados, que permitam um embasamento científico adequado, tornando assim, evidente a existência ou não de atividade contrátil no tecido fascial, e sua devida ativação e interferência na biomecânica corporal.

    Palavras-Chave: Fáscia, tecido conjuntivo, contratilidade fascial.

    ABSTRACT

    The attention given to the conjunctive fascial tissue has grown because of its importance as a means of structural connection within the human body. It interlinks each body cell as a tri-dimensional web with inserts from the skull to the feet. However, there are several issues to be studied on their ability to perform contraction, which has been speculated by some authors. Therefore, in this work aimed to review further studies on the fascial tissue and its importance related to contracts aspects for their structure, and its proper influence on body biomechanics. Thus, a bibliographic review has been performed by analyzing scientific articles from periodicals index, such as from Bireme, Medline, Lilacs, SciELO, PEDro, PubMed, as well as from books, scientific-content websites and speeches given in science seminars, dating from 1992 up to February, 2010. As a result, there has been hypothesis where the fascia have active contraction, due to the presence of smooth muscle cells and can thus interfere with the body biomechanics, but further studies unraveled that this contraction would not be nothing but a greater hydration of fascial tissue. Although studies were seeking drug induction of contraction, in addition to the induction by electrical stimulation, but both with mixed results. Therefore, it is suggested that more well formulated studies are needed, to allow for basement appropriate scientific, thus, clearing the existence of contractile activity in the fascial tissue, and its proper activation and interference in biomechanics body.

    Keywords: Fascia, connective tissue, fascial contractility.

    Sobre os Autores

    1. Fisioterapeuta graduada pela PUC-Campinas, osteopata pelo Instituto Docusse de Osteopatia e Terapia Manual – IDOT, especialista em Fisioterapia Músculoesquelética pela Irmandade Santa Casa de Misericórdia de SP – ISCMSP.
    2. Fisioterapeuta graduada pela PUC-Campinas, especialista em Fisioterapia aplicada ao Aparelho Locomotor no Esporte – UNIFESP.
    3. Fisioterapeuta e Educador Físico graduado pela PUC-Campinas, mestre em Fisioterapia pela Universidade Nacional Autônoma do México – UNAM.
    4. Fisioterapeuta graduado pela PUC-Campinas, mestre em Fisiologia e Biofísica pela UNICAMP.

    Recebido: 07/2011
    Aceito: 07/2011
    Autor para correspondência: Natália Folco Scodeler
    Email: [email protected]

    Deixe um comentário