28-maio-2010 às 16:07

    Abordagem Osteopática na Gastrite

    [addtoany]

    Osteopathy Approach in Gastritis


    Daniela Scalon¹, Walkyria Vilas Boas Fernandes²

    Resumo

    A gastrite tornou-se uma doença muito freqüente em razão da crescente mudança nos hábitos culturais do cenário atual. Existem múltiplos fatores que podem levar a este processo inflamatório do estômago mais conhecido como gastrite. A gastrite tornou-se uma doença muito freqüente em razão da crescente mudança nos hábitos culturais do cenário atual. Existem múltiplos fatores que podem levar a este processo inflamatório do estômago mais conhecido como gastrite. Dentre eles estão o estresse, o consumo de exagerado de álcool, alguns medicamentos e drogas, problemas emocionais, ações de agentes infecciosos, entre várias outras causas. Além disto, os distúrbios somáticos também podem favorecer o surgimento da gastrite devido às disfunções biomecânicas, alteração no fluxo nervoso e/ou circulatório do estômago. Assim como as alterações somáticas podem desencadear descompensações no sistema digestório, o inverso também é verdadeiro. Essas duas possibilidades acontecem através dos reflexos viscerosomáticos e somato-viscerais. Por isto, não se pode esquecer  que o tratamento não deve ser pensado apenas localmente, mas sim, seguir através das respostas encontradas nos dados importantíssimos encontrados primariamente na anamnese. A osteopatia é ressaltada neste estudo como método para alívio dos sintomas e tratamento para este problema, visto que ela
    proporciona condições para a “auto-cura”. As técnicas e o desenvolvimento deverão ser escolhidos de acordo com cada indivíduo e, mesmo que a doença seja a mesma, os efeitos biomecânicos e fisiológicos desta poderão ser diferentes de paciente para paciente. Assim, não existe protocolo exato para que se realize o tratamento osteopático, por isto, objetivou-se neste trabalho, reunir a maior quantidade de dados possível sobre as técnicas mais utilizadas na intervenção osteopática da gastrite e verificar suas respostas fisiológicas.

    Palavras-chave: Osteopatia visceral, Manipulação visceral, Gastrite.

    Abstract

    Gastritis has become a very common disease because of the increasing changes in the cultural behavior of current times. There are multiple factors that can lead to this stomach inflammatory process known as gastritis. Among them are: stress, excessive alcohol intake, some medicines and drugs, emotional problems, the action of infectious agents, and others. Besides that, somatic disturbs can also favor gastritis outbreak because of the biomechanical dysfunctions, alteration on circulatory and/or the nervous flow of the stomach. Just as somatic alterations can trigger changes on the digestive system, the opposite can also be true. Both possibilities happen through viscero-somatic and somatic-visceral reflexes. For this reason, one should not forget that the treatment can’t be thought only locally, it has to match the information found on the very important data first found on the anamnesis. Osteopathy is highlighted in this study as a way to soften the symptoms and also as a treatment for this problem, because it provides conditions for “self-healing”. The techniques and development have to be chosen according to each individual and, even though the disease is the same, the biomechanical and physiologic effects may differ from patient to patient. This way, there is no exact protocol to be followed in an osteopathic treatment, for this reason, the objective of this report is to gather the largest amount possible of data concerning the most utilized techniques on the osteopathic intervention of gastritis and to verify itsphysiological answers.

    Key-words: Visceral Osteopathy, Visceral Manipulation, Gastritis.

    1. Fisioterapeuta, Pós-graduanda em Fisioterapia Osteopática pelo CBES-SP

    2. Fisioterapeuta, Mestranda em Tecnologia em Saúde pela PUC-PR

    Recebido:
    13/10/2009
    Aceito: 18/01/2010
    Autor para correspondência: Daniela Scalon
    E-mail: [email protected]

    Deixe um comentário