Volta para o Início
31-mar-2020 às 14:04

Resiliência e Mudanças

Adaptação e otimismo são as palavras para o período No intuito de ajudar passar da melhor forma pelo isolamento social provocado pela pandemia de COVID-19, a nossa professora de graduação, Silvia Prado Amaral, que é psicóloga com especialização em gestão de pessoas e dinâmica de grupo, nos passou algumas dicas valiosas para que você deixe […]

Adaptação e otimismo são as palavras para o período

No intuito de ajudar passar da melhor forma pelo isolamento social provocado pela pandemia de COVID-19, a nossa professora de graduação, Silvia Prado Amaral, que é psicóloga com especialização em gestão de pessoas e dinâmica de grupo, nos passou algumas dicas valiosas para que você deixe a resistência de lado, se adapte às mudanças e seja resiliente: aceite a condição que a atual situação impõem.

1. Dicas para lidar com a ansiedade e nervosismo?

A minha sugestão é que as pessoas saiam um pouco das redes sociais e das notícias para não ficar tão focadas nisso. Eu sei que é difícil nesse momento, mas a dica é focar em outras coisas. Sendo assim procure ler, aproveitar para ficar com seus pais, filhos e demais pessoas que vivem na mesma casa que você. A ideia é aproveitar esse momento para fazer outras coisas que não ficar ouvindo notícias sobre a pandemia. Esse é o principal caminho para baixar a ansiedade e o nervosismo.

2. Por que somos tão resistentes às mudanças?

É natural do ser humano resistir a todas as situação em que não lhe são habituais, uma vez que qualquer mudança nos aterroriza. Hoje em dia isso ocorre de uma forma mais racional, mas na verdade a gente sempre se aterroriza com o novo, por isso que é tão difícil aceitar as mudanças.

3. Quais são as competências necessárias para enfrentar esse momento de isolamento?

Adaptação é a competência básica para qualquer período de mudança. Pois é preciso ter a capacidade de fazer diferente daquilo que é feito normalmente. A resiliência é outra competência essencial, visto que faz com que nós aceitamos aquilo que não podemos mudar.

4. Recomendações e ideias para adaptar as mudanças e se flexibilizar diante desse momento?

O importante é continuar estudando, lendo e escrevendo. Estes atos funcionam como uma maneira de aceitação à mudança.

As pessoas que melhor se adaptarem, sempre serão mais bem sucedidas. Para lidar bem com a situação é preciso buscar outras maneiras de fazer o habitual, além de ocupar seu tempo fazendo outras coisas. Um exemplo: tem algumas coisas que a gente muitas das vezes queria fazer, mas por conta do tempo acaba não fazendo? Essa é uma ótima oportunidade de fazermos tudo o que temos vontade, desde que seja dentro de casa com a devida segurança e proteção que o momento pede.

O grande segredo é administrar o tempo, pois assim você consegue aceitar a mudança e passar por esse momento de forma mais saudável.

5. Qual a importância de criar uma rotina durante o isolamento?

Manter uma rotina é sempre bom, ainda mais em tempos como os de hoje, especialmente durante a quarentena. A rotina serve para que você consiga seguir sua vida com a normalidade, claro que dentro do possível. Então eu indico que as pessoas não passem o dia todo de pijama na frente de televisão.

O ideal é levantar tomar um banho, tomar café da manhã, fazer atividades como exercícios físicos dentro de casa, ou seja, criar uma rotina para o seu dia a dia. Porque ficar o dia todo sem fazer nada ou em frente à televisão ou celular pode trazer à tona sentimentos de tristeza, solidão, inutilidade e mal estar, sintomas que podem desenvolver a depressão. Por este motivo a criação de uma rotina torna as coisas um pouco mais fáceis.

6. E quanto aos alunos, qual a importância da participação deles nas aulas online?

O ambiente online é muito interessante, pois lá podemos trocar conhecimento, ver os colegas e conversar. O espaço virtual nos deixa mais próximos, principalmente neste momento de isolamento, onde a proximidade vai ser ainda mais útil do que a própria transmissão de conhecimento, aprendizado e informação, a troca, o conversar e ver outras pessoas será extremamente importante, eu não tenho a menor dúvida disso.

7. De que maneira os alunos podem ser solidários e se ajudarem nesse momento?

A solidariedade entre eles deve ser feita através do WhatsApp, auxiliando aquela pessoa que não têm acesso à internet de qualidade com a mesma facilidade do que os outros e obviamente precisam ser informados do que está acontecendo. Sendo assim, os alunos precisam ficar atentos para perceber se ninguém ficou de fora dos grupos de estudo e prestar solidariedade e ajuda aos colegas que precisarem.

Existem condições um pouco mais delicada, como o exemplo de uma turma que eu tenho, à qual está no primeiro período ainda, ou seja, eles não se conhecem direito, então aí é um desafio ainda maior, por conta da falta de convivência entre eles. Mas com calma e paciência tudo se resolverá. E diante dessa dificuldade eles poderão se conhecer, ajudar e logo estarão todos unidos.

8. Quais são os principais esforços que os alunos tem que fazer neste momento?

O principal esforço é sair da inércia e de estar parado. Porque a hora que eles começarem, entrarem no portal, olharem o que tem para fazer irão se animar e estudar.

Lembrando que tudo é uma questão de hábito, então basta você sair de onde está agora, porque depois que começar a realizar as atividades não irá parar mais.

Temos que assemelhar que precisaremos do mesmo esforço utilizado para sair de casa ou do trabalho e ir até a faculdade para ter aula presencial. A situação atual exige esse esforço, que basicamente se resume em sair das redes sociais ou da frente da televisão e focar em outra coisa, que no caso é o ensino, mas tudo isso dentro do conforto do seu lar.

9. Um conselho para que seus alunos possam ficar em casa tranquilos e consigam cumprir suas tarefas acadêmicas?

Alunos – aproveitem esse momento para tirar proveito dele, lembrem-se de que cada um deve fazer de uma catástrofe o melhor e que o momento possa mais para frente ser usado de forma positiva para suas vidas. Então o que eu quero dizer é: aproveitem esse tempo para reflexão, estudo e acima de tudo para estar junto de suas famílias, aproxime-se também de pessoas que estão longe, por meio de vídeos chamadas.

O meu maior conselho é se aproximem da família de forma virtual se não for possível de forma pessoal e troquem experiências, amor e carinho. Tudo isso vai passará e em breve estaremos juntos novamente!