31-mar-2020 às 14:04

Resiliência e Mudanças

Adaptação e otimismo são as palavras para o período No intuito de ajudar passar da melhor forma pelo isolamento social provocado pela pandemia de COVID-19, a nossa professora de graduação, Silvia Prado Amaral, que é psicóloga com especialização em gestão de pessoas e dinâmica de grupo, nos passou algumas dicas valiosas para que você deixe […]

Adaptação e otimismo são as palavras para o período

No intuito de ajudar passar da melhor forma pelo isolamento social provocado pela pandemia de COVID-19, a nossa professora de graduação, Silvia Prado Amaral, que é psicóloga com especialização em gestão de pessoas e dinâmica de grupo, nos passou algumas dicas valiosas para que você deixe a resistência de lado, se adapte às mudanças e seja resiliente: aceite a condição que a atual situação impõem.

1. Dicas para lidar com a ansiedade e nervosismo?

A minha sugestão é que as pessoas saiam um pouco das redes sociais e das notícias para não ficar tão focadas nisso. Eu sei que é difícil nesse momento, mas a dica é focar em outras coisas. Sendo assim procure ler, aproveitar para ficar com seus pais, filhos e demais pessoas que vivem na mesma casa que você. A ideia é aproveitar esse momento para fazer outras coisas que não ficar ouvindo notícias sobre a pandemia. Esse é o principal caminho para baixar a ansiedade e o nervosismo.

2. Por que somos tão resistentes às mudanças?

É natural do ser humano resistir a todas as situação em que não lhe são habituais, uma vez que qualquer mudança nos aterroriza. Hoje em dia isso ocorre de uma forma mais racional, mas na verdade a gente sempre se aterroriza com o novo, por isso que é tão difícil aceitar as mudanças.

3. Quais são as competências necessárias para enfrentar esse momento de isolamento?

Adaptação é a competência básica para qualquer período de mudança. Pois é preciso ter a capacidade de fazer diferente daquilo que é feito normalmente. A resiliência é outra competência essencial, visto que faz com que nós aceitamos aquilo que não podemos mudar.

4. Recomendações e ideias para adaptar as mudanças e se flexibilizar diante desse momento?

O importante é continuar estudando, lendo e escrevendo. Estes atos funcionam como uma maneira de aceitação à mudança.

As pessoas que melhor se adaptarem, sempre serão mais bem sucedidas. Para lidar bem com a situação é preciso buscar outras maneiras de fazer o habitual, além de ocupar seu tempo fazendo outras coisas. Um exemplo: tem algumas coisas que a gente muitas das vezes queria fazer, mas por conta do tempo acaba não fazendo? Essa é uma ótima oportunidade de fazermos tudo o que temos vontade, desde que seja dentro de casa com a devida segurança e proteção que o momento pede.

O grande segredo é administrar o tempo, pois assim você consegue aceitar a mudança e passar por esse momento de forma mais saudável.

5. Qual a importância de criar uma rotina durante o isolamento?

Manter uma rotina é sempre bom, ainda mais em tempos como os de hoje, especialmente durante a quarentena. A rotina serve para que você consiga seguir sua vida com a normalidade, claro que dentro do possível. Então eu indico que as pessoas não passem o dia todo de pijama na frente de televisão.

O ideal é levantar tomar um banho, tomar café da manhã, fazer atividades como exercícios físicos dentro de casa, ou seja, criar uma rotina para o seu dia a dia. Porque ficar o dia todo sem fazer nada ou em frente à televisão ou celular pode trazer à tona sentimentos de tristeza, solidão, inutilidade e mal estar, sintomas que podem desenvolver a depressão. Por este motivo a criação de uma rotina torna as coisas um pouco mais fáceis.

6. E quanto aos alunos, qual a importância da participação deles nas aulas online?

O ambiente online é muito interessante, pois lá podemos trocar conhecimento, ver os colegas e conversar. O espaço virtual nos deixa mais próximos, principalmente neste momento de isolamento, onde a proximidade vai ser ainda mais útil do que a própria transmissão de conhecimento, aprendizado e informação, a troca, o conversar e ver outras pessoas será extremamente importante, eu não tenho a menor dúvida disso.

7. De que maneira os alunos podem ser solidários e se ajudarem nesse momento?

A solidariedade entre eles deve ser feita através do WhatsApp, auxiliando aquela pessoa que não têm acesso à internet de qualidade com a mesma facilidade do que os outros e obviamente precisam ser informados do que está acontecendo. Sendo assim, os alunos precisam ficar atentos para perceber se ninguém ficou de fora dos grupos de estudo e prestar solidariedade e ajuda aos colegas que precisarem.

Existem condições um pouco mais delicada, como o exemplo de uma turma que eu tenho, à qual está no primeiro período ainda, ou seja, eles não se conhecem direito, então aí é um desafio ainda maior, por conta da falta de convivência entre eles. Mas com calma e paciência tudo se resolverá. E diante dessa dificuldade eles poderão se conhecer, ajudar e logo estarão todos unidos.

8. Quais são os principais esforços que os alunos tem que fazer neste momento?

O principal esforço é sair da inércia e de estar parado. Porque a hora que eles começarem, entrarem no portal, olharem o que tem para fazer irão se animar e estudar.

Lembrando que tudo é uma questão de hábito, então basta você sair de onde está agora, porque depois que começar a realizar as atividades não irá parar mais.

Temos que assemelhar que precisaremos do mesmo esforço utilizado para sair de casa ou do trabalho e ir até a faculdade para ter aula presencial. A situação atual exige esse esforço, que basicamente se resume em sair das redes sociais ou da frente da televisão e focar em outra coisa, que no caso é o ensino, mas tudo isso dentro do conforto do seu lar.

9. Um conselho para que seus alunos possam ficar em casa tranquilos e consigam cumprir suas tarefas acadêmicas?

Alunos – aproveitem esse momento para tirar proveito dele, lembrem-se de que cada um deve fazer de uma catástrofe o melhor e que o momento possa mais para frente ser usado de forma positiva para suas vidas. Então o que eu quero dizer é: aproveitem esse tempo para reflexão, estudo e acima de tudo para estar junto de suas famílias, aproxime-se também de pessoas que estão longe, por meio de vídeos chamadas.

O meu maior conselho é se aproximem da família de forma virtual se não for possível de forma pessoal e troquem experiências, amor e carinho. Tudo isso vai passará e em breve estaremos juntos novamente!

30-mar-2020 às 14:39

Crianças na Quarentena

Dicas de como manter as crianças entretidas durante o isolamento social O fechamento das escolas foi uma das medidas necessárias para evitar aglomerações e diminuir as chances de transmissão do COVID-19. Contudo, o isolamento social pegou muitas famílias de surpresa, fazendo com que os pais precisassem adaptar sua rotina, colocando a imaginação para funcionar: tudo […]

Dicas de como manter as crianças entretidas durante o isolamento social

O fechamento das escolas foi uma das medidas necessárias para evitar aglomerações e diminuir as chances de transmissão do COVID-19.

Contudo, o isolamento social pegou muitas famílias de surpresa, fazendo com que os pais precisassem adaptar sua rotina, colocando a imaginação para funcionar: tudo isso para manter as crianças ocupadas.

Sabemos que não é nada fácil usar a criatividade, principalmente em meio a situações delicadas, mas é necessário saber lidar com a circunstância, especialmente se você tiver filhos ou sobrinhos que vivem na mesma casa que a sua.

A Fisioterapeuta Neurofuncional, Dr.a Sibele Knaut, ressalta que as crianças devem ser submetidas à realização de atividades que exercitem a parte cognitiva e motora. “Incluir exercícios que estimulem o treinamento das cores, letras ou números é essencial para o bom funcionamento da motricidade infantil. O mais importante é não oferecer atividades no celular ou tablet e tentar diminuir o tempo que os pequenos ficam expostos à televisão e videogame”, afirma.

Veja algumas dicas que podem colaborar durante a quarentena com os pequenos:

· É preciso criar atividades que estejam dentro da linha de aprendizado escolar;

· Elabore exercícios que envolvam o treinamento de descoberta de cores, números, vogais;

· Para crianças maiores, é interessante inserir atividades com questões de matemática, história, língua portuguesa e demais disciplinas estudadas na escola;

· Organizar o tempo das crianças em casa – é importante para manter o aprendizado;

· Destinar um tempo para leitura também é fundamental;

· Atividades como: desenhar, pintar, circular e trabalhar formas geométricas são exemplos de como entreter as crianças;

· Deixar seu filho criar uma brincadeira entre as atividades de ensino contribui para o aprendizado.

Além disso é importante deixar um tempo livre para a criança brincar com o que ela quiser, pois é de extrema relevância para o desenvolvimento psicomotor. Ela precisa de um tempo para ter uma atividade livre, onde possa criar e desenvolver a brincadeira.

24-mar-2020 às 11:23

Exercícios físicos em casa

Não deixe de fazê-los: eles fortalecem o sistema imunológico Em tempo de COVID-19, o mais indicado é não frequentar ambientes fechados, como por exemplo as academias. Porém, o Ministério da Saúde indica a prática de exercícios físicos regularmente, visto que se exercitar fortalece o sistema imunológico. Mas, seguindo as diretrizes atuais, neste momento o ideal […]

Não deixe de fazê-los: eles fortalecem o sistema imunológico

Em tempo de COVID-19, o mais indicado é não frequentar ambientes fechados, como por exemplo as academias. Porém, o Ministério da Saúde indica a prática de exercícios físicos regularmente, visto que se exercitar fortalece o sistema imunológico.

Mas, seguindo as diretrizes atuais, neste momento o ideal é fazer exercício em casa.

O professor da Faculdade Inspirar Ricardo Corrêa da Cunha, coordenador do curso de Pós-Graduação em Biomecânica e Fisiologia Aplicadas ao Exercício Físico, passa valiosas dicas para executar exercícios no seu lar e, o melhor: orienta como fazê-los de forma correta para evitar lesões. Confira:

· Use o que você tem dentro de casa;

· Utilize sacos de grãos, por exemplo: 1 quilo de arroz, feijão ou açúcar, latas de azeite e até mesmo embalagem de caixas de leite;

· Faça exercícios repetitivos, seguindo uma sequência, como você está acostumado a fazer na academia;

· Se dê um tempo de descanso entre uma sequência e outra;

· Utilize aplicativos destinados à prática de atividade física.

Alguns exercícios que não precisam de nenhum equipamento, uma vez que o próprio peso do corpo basta:Após a leitura deste texto o que não lhe falta são instruções de como se exercitar dentro de casa. Por isso pratique. Receba uma última dica do professor. “É indispensável que as pessoas se mantenham ativas, se locomover dentro de casa já ajuda bastante, mesmo não sendo um exercício temático. A caminhada, ainda que dentro de casa, te mantém ativo e não deixa de ser uma atividade física”, finaliza o professor Ricardo Cunha.

24-mar-2020 às 09:57

Impactos Psicológicos e Sociais na Quarentena

Veja as dicas de como ter um isolamento social mais leve e agradável Ficar em casa durante a quarentena não é nada fácil. O isolamento social pode se tornar um pesadelo para muitas pessoas, que estão passando por essa situação desde o início do surto de COVID-19. Para boa parte da população, não existe sentimentos […]

Veja as dicas de como ter um isolamento social mais leve e agradável

Ficar em casa durante a quarentena não é nada fácil. O isolamento social pode se tornar um pesadelo para muitas pessoas, que estão passando por essa situação desde o início do surto de COVID-19.

Para boa parte da população, não existe sentimentos positivos como felicidade, alívio e proteção no tempo em que estão em quarentena. Sendo assim, a tendência é que o isolamento social aumente o nível de cortisol do corpo – hormônio responsável pelo estresse.

Afim de evitar esses impactos negativos, enumeraremos algumas recomendações para que você passe pela quarentena de forma tranquila e, por que não, até divertida! Veja:

· Aproveite para descansar;

· Assista séries, novelas, filmes e vídeos;

· Coloque seu sono em dia;

· Dê atenção aos seus animais de estimação;

· Desenvolva suas habilidades artísticas;

· Invista em cursos online;

· Leia livros;

· Mantenha-se próximo das pessoas mesmo durante o confinamento, chamadas de vídeo são uma excelente opção;

· Organize suas coisas;

· Pratique exercícios físicos, mesmo que em casa;

· Tire um momento para se cuidar;

· Use esse tempo para fazer novas receitas;

· Utilize as redes sociais como forma de entretenimento.

E lembre-se: essa situação delicada passará. Tenha paciência, o momento não vai durar para sempre. Então, tire proveito dele!

 
 
20-mar-2020 às 13:35

Pandemia e Comportamento

Empatia e ações solidárias em momentos de crise Diante da grave situação que estamos vivendo por conta do COVID-19, se faz necessária a mudança de postura e adoção de algumas medidas para que todos façam a sua parte – e o país atravesse a fase da melhor maneira possível. Por este motivo listamos dicas de […]

Empatia e ações solidárias em momentos de crise

Diante da grave situação que estamos vivendo por conta do COVID-19, se faz necessária a mudança de postura e adoção de algumas medidas para que todos façam a sua parte – e o país atravesse a fase da melhor maneira possível.

Por este motivo listamos dicas de comportamento para te auxiliar, veja:

· Evite contato direto com as pessoas:

– Quando possível mantenha a distância de pelo menos um metro e não cumprimente com aperto de mão, abraço ou beijo.

· Se puder, evite tocar em objetos de uso coletivo:

– O recomendado é que você não use a sua mão dominante para tocar em objetos como por exemplo: botão do elevador, maçanetas, corrimãos, transporte público. Se for o caso, use a outra mão, que a chance de depois levá-lo no rosto é menor.

· Não minimize a gravidade de situação, respeite esse momento delicado:

-Ajude na divulgação correta das informações e siga as diretrizes sancionadas. Procure compartilhar notícias de órgãos oficiais e instituições de referência em saúde. Cuide com as fake news!

· Conscientize-se de que estamos passando por uma fase delicada, que exige sacrifícios de todos em nome do bem coletivo:

-Evite aglomerações, shopping center, praia e demais lugares de convívio social.

· Mantenha-se informado na medida do necessário:

-A mídia em geral está a todo momento nos informando sobre o cenário. Sendo assim, o recomendado é não ficar procurando desesperadamente por informações, deixe que elas cheguem até você e sempre cheque a veracidade da notícia antes de divulgá-la. Mas leia um livro, veja um filme, tente canalizar seu cérebro para outros assuntos também.

· Não esvazie prateleiras de supermercado:

-Seja consciente, compre apenas o necessário. Lembre que vivemos em sociedade e precisamos ajudar uns aos outros.

· Não encare a suspensão das aulas como férias:

-Faça sua parte. Não lote praias, transportes, shopping ou vá a festas. Este é o momento de isolamento.

· Ensine as crianças a lavarem bem as mãos e se protegerem, mas não use o vírus como ameaça. Poupe os pequenos, sempre que possível:

– De forma didática ensine seus filhos, sobrinhos e crianças próximas a lavarem as mãos, peça para que eles não coloquem as mãos no rosto antes de higienizá-las. Mas sem alarde, de forma mais leve, sem pânico.

· Sugira alterações nas rotinas dos seus pais e avós:

– Faça com que as pessoas de mais idade não precisem sair de casa para que não se exponham. Ajude numa possível ida à farmácia, mercado, etc.

· Obedeça às diretrizes:

– As diretrizes orientam que se lave as mãos da maneira correta e com frequência, deve-se cobrir a boca com o antebraço para tossir e evitar aglomerações.

A adoção dessas medidas preventivas facilita o enfrentamento da pandemia, promove a conscientização e o bem-estar comum. É fundamental que todos entendamos que quando você se coloca em risco, você coloca todo mundo em risco. Por este motivo é importante respeitar o outro e principalmente fazer a sua parte.

19-mar-2020 às 11:46

Imunidade e Coronavírus

Conhecimento é fundamental em tempos difíceis. Veja as dicas bem humoradas da nutricionista Elaine Cristina Schopping Imbiriba sobre como ajudar a aumentar a imunidade para combater o COVID-19: 1.Capriche na hidratação, são 35 ml por kg de peso, ou seja, uma pessoa de 70 kg precisará de 2450 ml, ou 2,5 litros por dia. 2.Capriche […]

Conhecimento é fundamental em tempos difíceis. Veja as dicas bem humoradas da nutricionista Elaine Cristina Schopping Imbiriba sobre como ajudar a aumentar a imunidade para combater o COVID-19:

1.Capriche na hidratação, são 35 ml por kg de peso, ou seja, uma pessoa de 70 kg precisará de 2450 ml, ou 2,5 litros por dia.

2.Capriche nos temperos da comida, sendo cebola e alho muito, muito importantes!

3.Lembre do própolis: adicione estas gotinhas de vida no seu dia a dia.

4.Prato colorido: capriche nos verdes escuros (rúcula, brócolis, espinafre, couve) – tem ácido fólico que é importante para seus glóbulos brancos, a “galera” que te defende. Ajude eles por favor.

5.Frutas e verduras coloridas (vermelhas, roxas, alaranjadas) tem carotenoides, ótimos antioxidantes (suas células marombadas…). Consuma de 2 a 3 porções por dia.

6.Qualidade do intestino. Ali tem uma barreira que te protege ou não, caso esteja tudo comprometido. Ajude este órgão consumindo fermentados, kombuchas, Kefir.

7.Selênio e zinco ajudam na imunidade. Onde tem? Nas oleaginosas (2 a 3 castanhas por dia e pronto).

8.Durma bem.

9.Seja bem feliz e mantenha a calma – vai passar. Cuide de você e das pessoas que ama.

10.Siga as orientações de higiene à risca, lave bem a mãos e use álcool 70% (é este, tá?).

18-mar-2020 às 16:29

Corrida desenfreada ao mercado, economia criativa

O que fazer em meio à pandemia? A pandemia do COVID-19, em meio a tanta informação e notícias, muitas falsas, causou uma verdadeira corrida aos mercados. Pessoas estocando comida, correndo atrás de álcool gel e máscaras – um verdadeiro caos em alguns lugares do país. A professora da Faculdade Inspirar, Camila Faiçal, relações públicas e […]

O que fazer em meio à pandemia?

A pandemia do COVID-19, em meio a tanta informação e notícias, muitas falsas, causou uma verdadeira corrida aos mercados. Pessoas estocando comida, correndo atrás de álcool gel e máscaras – um verdadeiro caos em alguns lugares do país.

A professora da Faculdade Inspirar, Camila Faiçal, relações públicas e mestre em desenvolvimento econômico, diz que tudo isso gera um impacto negativo. “O aumento repentino na demanda de produtos pela população, não acompanhada de uma elevação da oferta pelos produtores, pode ocasionar um aumento de preços e no rápido esvaziamento das gôndolas. Isso pode fazer com que produtos essenciais deixem de estar disponíveis para toda a população”.

A Organização Mundial da Saúde (OMS), assim como o Ministério da Saúde do Brasil, alertam a população a não entrar em pânico e evitar a geração de estoques, pois os produtos básicos continuarão em produção. “Até mesmo em locais de grande ocorrência do vírus, como na China e na Itália, não há registros de falta de alimentos. O que deverá ocorrer, caso a situação se agrave no Brasil, é um reordenamento de processos e da rotina de compras e entrega de alimentos”, explica a professora.

Como podemos ajudar o outro?

“Seguir as orientações das autoridades de saúde é sempre a melhor maneira de ajudar o próximo. Também é fundamental propagar informações de maneira coerente e serena. O momento também pede solidariedade, em especial com os idosos. Precisamos evitar com que eles se exponham a riscos desnecessários no ambiente comum. Quanto mais eles ficarem em casa, melhor. Para isso, simples ações ajudam. Vi um caso muito legal, onde um vizinho se ofereceu para ir até o mercado para seu vizinho idoso. Juntos, sairemos mais fortes desta crise”, salienta Camila.

Como fazem os pequenos empresários?

O momento pede adaptação e resiliência. Os pequenos empresários, os autônomos, devem focar em novas formas de atendimento ao público. Os serviços de delivery estarão em alta e o pequeno empresário poderá se adaptar a esta nova realidade. Novos produtos e serviços, que possam ajudar a combater o vírus, também poderão ser alternativas de mercado. É hora de usar a criatividade com austeridade. A crise vai passar. Mas até lá, o empresário precisa estar conectado com as demandas do mercado e manter, acima de tudo, o otimismo”, concluiu a professora da Faculdade Inspirar.

18-mar-2020 às 16:07

FAKE NEWS

Receita caseira de álcool gel, remédios proibidos pra casos suspeitos… O que é verdade e o que é mentira nisso tudo? É muita informação – somos bombardeados o tempo todo com notícias (verdadeiras e falsas) a respeito do Coronavírus. A Faculdade Inspirar esclarece e alerta: cuidado com as fake news! Álcool gel e receitas caseiras. […]

Receita caseira de álcool gel, remédios proibidos pra casos suspeitos… O que é verdade e o que é mentira nisso tudo?

É muita informação – somos bombardeados o tempo todo com notícias (verdadeiras e falsas) a respeito do Coronavírus. A Faculdade Inspirar esclarece e alerta: cuidado com as fake news!

Álcool gel e receitas caseiras.

FAKE

Segundo Maurício José Fernandes, biólogo com atuação na área de Virologia e Imunologia, não é aconselhável uma receita caseira. “O álcool gel tem que ser fabricado para uma concentração de 70% utilizando um cálculo para garantir uma concentração adequada. Na formulação também é utilizado um espessante para aumentar a viscosidade na quantidade correta e um emoliente para retardar a evaporação do álcool e diminuição do ressecamento da pele. Deve-se comprar sempre o produto comercial pois este já é produzido corretamente”.

Remédios proibidos e indicados.

VERDADEIRO

“Não utilizar remédios como PREDNISONA ou DEXAMETASONA. Proibido a utilização de CORTICÓIDES. Em relação a medicamento à base de IBUPROFENO, ainda são especulações – estão sendo realizados estudos. Então, por enquanto, melhor não usar. Para febre pode utilizar o PARACETAMOL. Para utilização de qualquer outro medicamento deve-se consultar um médico”.

Recomendações Verdadeiras:

· Lavar as mãos com água e sabão no mínimo de 30 segundos ou utilizar álcool gel;

· Evitar ambientes com aglomeração e não compartilhar objetos pessoais;

· Cubra nariz e boca ao espirrar e ao tossir;

· Procurar não tocar em olhos, nariz e boca;

· Utilizar máscara se estiver doente ou tiver contato domiciliar com doentes. Os profissionais de saúde devem utilizá-la;

· Evitar apertos de mão, não compartilhar alimentos e bebidas;

· Aumentar a distância social, evitando a exposição a lugares lotados;

· Idosos e doentes crônicos não devem frequentar lugares de grandes aglomerações, como cinemas, teatros, shoppings ou mesmo planejar viagens;

· Se possível, mudar rotina no transporte público;

· Preferir exercícios ao ar livre. Academias podem estimular horários alternativos e reforçar higiene de seus equipamentos;

· Quem usa medicamentos contínuos deve pedir prescrições com validade mais prolongada, para evitar ter que ir a uma unidade de saúde no período entre o outono e o inverno;

· Preferir compras fora de horário de pico;

· Não procurar se auto medicar – sempre consultar um médico.