28-nov-2019 às 13:51

Como manter a motivação nos estudos e seguir na pós-graduação?

Ao longo da semana, com uma rotina corrida e cansativa, parece muito difícil conciliar uma pós-graduação e ter motivação nos estudos, não é mesmo? Afinal, as tarefas diárias e a falta de tempo podem desestimular você. No entanto, você não precisa desistir de ingressar em uma pós-graduação. Saiba que é possível manter o interesse e […]

Ao longo da semana, com uma rotina corrida e cansativa, parece muito difícil conciliar uma pós-graduação e ter motivação nos estudos, não é mesmo? Afinal, as tarefas diárias e a falta de tempo podem desestimular você.

No entanto, você não precisa desistir de ingressar em uma pós-graduação. Saiba que é possível manter o interesse e o ânimo para concluir os anos de curso. Você só precisa de algumas dicas sobre o assunto para fazer isso da melhor forma!

Pensando nessa questão, decidimos elaborar este artigo para ajudar você a continuar estudando, mesmo que ainda não saiba como fazer isso. Tem interesse? Continue a leitura para saber mais!

A importância da pós-graduação

O mercado está bastante acirrado em diversas áreas e, para conseguir se destacar, é importante aderir a algumas estratégias. Uma delas é a especialização, que pode ser feita em uma das seguintes modalidades: lato sensu ou stricto sensu.

A primeira é voltada para pessoas que querem se aprofundar no ramo de atuação e conquistar maior destaque no mercado de trabalho. As duas opções dessa modalidade são as especializações e os cursos de MBA (Master of Business Administration). Para receber o certificado de conclusão, o aluno deve entregar o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC).

Já a segunda modalidade tem como foco a carreira científica e acadêmica, então é indicada para quem deseja se tornar professor e/ou pesquisador. Nesse caso, o estudante primeiro faz o mestrado — cuja duração é de dois anos e exige a entrega de uma dissertação para receber o título — e, depois, o doutorado — que dura quatro anos e requer a entrega de uma tese para concluir o curso.

Ambos os tipos de pós-graduação apresentam diversas vantagens aos profissionais, como:

  • ampliação do networking: o ambiente da pós facilita a interação, então você conhece pessoas com interesses em comum e mesmo grau de formação, possibilitando que seja possível existir ajuda mútua;
  • novas possibilidades de atuação: a pós permite que você consiga um redirecionamento profissional, então é possível pensar em novas funções ou empresas em que deseja atuar;
  • atualização do conhecimento: profissionais defasados não são desejados no mercado de trabalho, mas, com a atualização do conhecimento possibilitada pela pós, você mantém as informações em dia;
  • ascensão profissional: com o título de pós-graduação, as chances de conseguir destaque e boas oportunidades de emprego são bem maiores;
  • valorização do currículo: em uma disputa por uma vaga, profissionais com o grau de especialista, mestre ou doutor saem na frente dos concorrentes;
  • maior remuneração: com mais conhecimentos, você pode assumir maiores responsabilidades na área de atuação, o que possibilita remunerações mais altas em um emprego e propostas de organizações.

Como manter a motivação nos estudos

Você já percebeu que existem vários motivos para continuar os estudos e ingressar numa pós, mas talvez isso ainda não seja suficiente. Afinal, não basta fazer a matrícula se não houver comprometimento com o curso, certo?

É importante que você consiga manter a motivação nos estudos, ainda que precise cuidar da família e trabalhe fora. Para saber como alcançar esse objetivo, veja algumas dicas a seguir!

Determine seus objetivos

O primeiro passo para manter a motivação nos estudos é definir por que você iniciou o curso. Foi para conseguir um novo emprego? Conquistar uma promoção? Mudar de cargo?

Identifique o seu objetivo principal e lembre-se dele frequentemente, pois é comum que as metas estejam claras no início, mas, com o tempo, a rotina pode fazer com que você esqueça os motivos para continuar estudando.

Além disso, estabeleça objetivos diários de acordo com a sua rotina. Por exemplo: se sabe que no dia seguinte terá folga, reserve um tempo para estudar. Caso precise fazer um trabalho para o curso, pense em como dividi-lo em etapas para não precisar elaborá-lo rapidamente no dia anterior à entrega.

Tenha organização e controle o tempo

Para quem tem uma rotina atarefada, organização é a peça-chave para conseguir concluir a pós com sucesso. Afinal, você não pode deixar as tarefas se acumularem, e sim determinar, com base na sua realidade, quando elas devem ser feitas.

No entanto, isso não será possível se você não souber administrar o seu tempo. Então, é importante priorizar algumas responsabilidades. Para isso, talvez seja necessário recusar alguns convites de eventos ou abrir mão de algumas atividades, pelo menos momentaneamente, para focar mais no curso.

Registre conquistas e aprendizados

Principalmente ao final do curso, quando chega a hora de produzir o trabalho para obter o título, a pressão se torna maior e fica ainda mais difícil manter a motivação. Por isso, é fundamental que, desde o início, você tenha o hábito de registrar as suas conquistas e aprendizados.

Isso pode ser feito, por exemplo, ao final de cada disciplina, com anotações sobre os tópicos vistos. Já em relação ao trabalho final do curso, você pode comemorar a cada pequena vitória, como, por exemplo, ao terminar de escrever um capítulo.

Encontre outras fontes de conhecimento

Caso você sinta que não assimila muito bem o conteúdo apenas com as aulas, uma alternativa é buscar outras formas de obter conhecimento. Às vezes, é possível que o aluno não se identifique com a metodologia do professor e comece a ter dificuldades com a disciplina, mas, ao encontrar novas fontes de aprendizado, isso é solucionado.

Existem videoaulas disponibilizadas gratuitamente na internet, livros nas bibliotecas, grupos de estudo focados em uma determinada disciplina e muitas outras opções. Portanto, tente outros métodos para aprender e não desista enquanto não encontrar aquele que mais combina com o seu perfil.

Reconheça os seus limites

Em alguns momentos, o cansaço pode provocar o desânimo. Depois de passar um dia exaustivo no trabalho, você chega em casa e se força a estudar, mas só perde tempo, porque a mente não colabora muito nesse processo. Então, o que fazer nesse momento?

Nesse caso, o mais indicado é reconhecer os próprios limites e não ir além do que é possível. Ainda que muitos desejem suprimir essas limitações, é natural não conseguir produzir e render ao máximo a todo tempo. Por isso, é importante saber se respeitar e, no dia seguinte, com a cabeça mais leve, tentar de novo.

O que achou dessas dicas? Se você quer entender melhor como conciliar as responsabilidades do dia a dia, confira este outro artigo e saiba como manter o desempenho no trabalho mesmo estudando!

28-nov-2019 às 13:42

Networking na área da saúde: entenda a importância e saiba como fazer

Para impulsionar a carreira, é necessário unir diferentes práticas. Uma delas é saber como fazer networking. Você já ouviu falar sobre esse termo? Ele diz respeito à rede de relacionamentos cultivada e valorizada entre profissionais com interesses em comum. Na área da saúde, essa é uma realidade constantemente aplicada, já que pode trazer numerosos benefícios: […]

Para impulsionar a carreira, é necessário unir diferentes práticas. Uma delas é saber como fazer networking. Você já ouviu falar sobre esse termo? Ele diz respeito à rede de relacionamentos cultivada e valorizada entre profissionais com interesses em comum.

Na área da saúde, essa é uma realidade constantemente aplicada, já que pode trazer numerosos benefícios: desde oportunidades de parceria até maior credibilidade no ramo de atuação.

Para quem ainda não entende muito bem como isso funciona, pode ser difícil cultivar uma boa rede de contatos. Pensando nisso, falaremos neste artigo sobre a importância desse processo e daremos 6 dicas para que você saiba como implementá-lo no seu dia a dia. Confira!

A importância de se fazer networking na área da saúde

Devido à alta competitividade no mercado de trabalho, inclusive na área da saúde, unir práticas que destaquem a sua atuação em meio às outras é fundamental para conquistar sucesso na profissão.

Por isso, o networking está se tornando ainda mais importante, permitindo, por exemplo, que seja estabelecida uma parceria. Isso é capaz de fornecer a você maior credibilidade, o que pode ajudar a conseguir mais pacientes.

Outro benefício do networking é possibilitar que os parceiros indiquem oportunidades na área, podendo contribuir para que você aprimore o atendimento e, consequentemente, o tratamento destinado a quem está sendo cuidado.

Como fazer um bom networking

Como vimos, o networking pode auxiliar você a conseguir novas oportunidades no ramo de atuação. No entanto, é preciso tomar alguns cuidados para não afastar bons contatos ou perder tempo atraindo pessoas que não vão contribuir para o seu crescimento.

Nesse contexto, é fundamental saber como construir uma boa rede de contatos. Confira, a seguir, 6 dicas que você pode adotar para conquistar esse objetivo!

1. Esteja presente nos principais eventos da área

É fundamental frequentar eventos que estejam relacionados à sua profissão. Nesses lugares costumam estar reunidos diversos profissionais com interesses semelhantes, então essa é uma ótima oportunidade para fazer contatos.

Durante o coffee break, experimente abordar as pessoas para criar a sua rede de contatos. Geralmente, esse é o momento ideal para iniciar um diálogo, já que os profissionais estão mais descontraídos e abertos à interação.

2. Pratique as suas abordagens

Na hora de iniciar uma conversa durante os eventos, por exemplo, é importante saber equilibrar e utilizar a simpatia e atenção na dose certa, para que você não fique parecendo um bajulador.

Prefira apostar em uma abordagem mais natural, ainda que você esteja nervoso — nesse caso, tenha cuidado para não deixar que o nervosismo passe uma imagem negativa para a pessoa do outro lado.

Além disso, durante a interação, lembre-se de que é necessário mostrar que você tem uma moeda de troca, ou seja, tem algo a oferecer ao outro.

3. Utilize a internet a seu favor

As redes sociais, em especial o LinkedIn, são ferramentas bastante úteis para quem deseja ampliar a rede de contatos e compartilhar os projetos. O WhatsApp e o Facebook são outras plataformas que podem ajudar nesse sentido.

Um ponto importante é: ainda que a comunicação seja feita por meio virtual, a linguagem utilizada deve ser adequada. Portanto, use o bom senso e evite informalidades.

Ao produzir conteúdo ou fazer novos contatos, não escreva mensagens sem propósito e que possam causar desvios de conduta. Isso pode arruinar a construção do networking ideal.

4. Tenha contatos de qualidade

Se você pensa que a quantidade se sobrepõe à qualidade quando o assunto é networking, saiba que essa é uma ideia equivocada. Afinal, se a sua rede tem vários contatos, mas nenhum deles oferece algo de valor a você e vice-versa, está na hora de revê-la.

O networking é útil para que os profissionais se ajudem mutuamente, proporcionando melhores resultados para ambos. Então, é preciso que, de alguma forma, esses contatos possam contribuir para o seu trabalho.

Além disso, com contatos de qualidade, você consegue evitar parcerias que possam trazer prejuízos e colocar em risco o desenvolvimento da sua imagem profissional no mercado de trabalho.

5. Tenha interesse genuíno

Já conheceu uma pessoa que só procurava você quando tinha algum interesse? Caso a resposta seja afirmativa, provavelmente você sabe como isso pode ser desconfortável. Pensando nisso, evite agir da mesma forma com os seus contatos profissionais.

Procure saber das novidades dessas pessoas sem ter uma motivação profissional com isso, parabenize promoções ou projetos novos e conecte-se frequentemente com elas. Você pode, por exemplo, marcar um café ou mandar uma mensagem pelas redes sociais para conversar com esses contatos sobre assuntos cotidianos que vão além do trabalho.

Além disso, coloque-se como uma pessoa generosa, disponível para oferecer auxílio sempre que for necessário. Tenha interesse genuíno na sua rede de contatos e não a utilize somente quando precisar de alguma ajuda ou dica profissional.

6. Continue se capacitando

Buscar capacitações além da graduação não só promove maior bagagem profissional, já que você opta por continuar os estudos, como também possibilita novas oportunidades de conhecer outros profissionais da área. Geralmente, o ambiente da pós-graduação conta com pessoas mais experientes e dispostas a trocar conhecimentos.

Assim, você consegue estabelecer contato com pessoas no mesmo nível de formação em que está, o que promove um enriquecimento profissional. Com isso, a relação se torna mutuamente produtiva.

Para fazer contatos nesse contexto, é importante participar das aulas, ir aos eventos da instituição e saber lidar com pessoas de diferentes personalidades. Além disso, não se esqueça de que esse processo é semelhante ao que você passou quando conheceu os seus amigos: não precisa levá-lo tão a sério, tornando-o muito rígido, ou se sobrecarregar com pressão emocional para conseguir contatos.

Ao seguir esses passos, é possível construir uma rede de contatos profissionais com uma base sólida e que se ajude constantemente. Agora que você já sabe como fazer networking, tenha em mente a importância de cultivar essa prática diariamente.

Se este conteúdo ajudou você a entender melhor o assunto, curta a nossa página no Facebook, acompanhe as publicações e se mantenha atualizado sobre outros temas da área!

25-nov-2019 às 16:17

Profissões em alta: conheça os profissionais mais requisitados na área da Saúde

Em qualquer ramo de atuação, é importante estar atualizado sobre as profissões em alta no mercado de trabalho, já que isso influencia bastante a busca por boas oportunidades de emprego. Na área da saúde, ao longo dos últimos anos foi constatado um crescimento na demanda por profissionais com foco no cuidado das pessoas de terceira idade e […]

Em qualquer ramo de atuação, é importante estar atualizado sobre as profissões em alta no mercado de trabalho, já que isso influencia bastante a busca por boas oportunidades de emprego. Na área da saúde, ao longo dos últimos anos foi constatado um crescimento na demanda por profissionais com foco no cuidado das pessoas de terceira idade e no bem-estar físico da população no geral.

Portanto, isso significa que profissões especializadas nesses âmbitos não apenas necessitam de mais pessoas qualificadas, mas também oferecem empregos com bons salários e boas condições de trabalho.

Se você quer descobrir quais são as ocupações mais requisitadas na saúde atualmente, continue lendo este post!

O mercado para a área de Saúde

Aqueles que já trabalham na saúde sabem que existem diversas especializações disponíveis, procurando atender à grande demanda. Atualmente cresceu o número de pessoas enfrentando doenças crônicas, enfermidades causadas por estresse e problemas relacionados à alimentação inadequada e falta de exercícios físicos. Todas essas adversidades contribuem para que os profissionais do ramo sejam cada vez mais demandados.

No mercado de trabalho, observamos que a atenção a pessoas idosas tem se intensificado. Assim, até mesmo hospitais e clínicas tradicionais começaram a oferecer atendimentos em domicílio por esse motivo. Além disso, novos campos de atuação têm surgido devido aos transtornos psicológicos de parte da população, como a depressão e a ansiedade, consideradas as doenças do século.

Existem ainda os profissionais que trabalham com o corpo e o físico, características que estão em alta no momento. Um dos motivos para isso é o fato da obesidade já está começando a atingir quase 20% dos brasileiros, aumentando a procura pelos que trabalham com a alimentação equilibrada e as práticas esportivas.

As profissões mais requisitadas

Como existem diversas carreiras na área da saúde, é importante saber quais são as profissões em alta no país e buscar especializações no ramo. Confira abaixo as 5 principais!

1. Medicina

Como se sabe, a medicina continua sendo uma das profissões mais valorizadas no país, o que se resume a taxas baixíssimas de desempregos para os que atuam no ramo.

Os médicos podem trabalhar de diferentes formas, como em consultórios próprios, clínicas e hospitais da rede pública ou privada, além de poderem atuar como pesquisadores em institutos ou laboratórios e como professores em universidades, caso tenham formação de nível superior avançada.

Essa é considerada a carreira mais bem remunerada no Brasil, cujo salário médio pode variar de R$5.419 a R$14.783 caso o profissional trabalhe em apenas um local. Como isso raramente acontece, o médico certamente tem uma remuneração mais alta.

2. Enfermagem

Por ser a pessoa responsável pelo recolhimento dos dados do paciente e direcionamento da equipe de enfermagem, incluindo técnicos e auxiliares, o enfermeiro é um dos profissionais mais necessários e requisitados na saúde.

Se comparada ao número de técnicos e auxiliares de enfermagem, a quantidade de enfermeiros graduados é bem reduzida, o que aumenta as chances de empregabilidade. Podem trabalhar em diferentes locais, dando plantões em hospitais, clínicas e consultórios, assim como os médicos.

A remuneração varia bastante de acordo com a especialidade desse profissional e o modo como ele trabalha, ou seja, se é no mesmo lugar, de segunda a sexta-feira, ou por plantão. Enfermeiros mais experientes costumam ganhar em torno de R$4.579.

3. Fisioterapia

O fisioterapeuta trabalha com foco na prevenção e tratamento de lesões ou doenças causadas por vícios de postura, genética ou acidentes. Ele pode atuar tanto em hospitais quando em clínicas. Também pode acompanhar os treinos físicos dos atletas.

O principal objetivo do fisioterapeuta é possibilitar que o paciente consiga recuperar a capacidade física e funcional por meio da união de diferentes exercícios e terapias personalizadas para ele.

No Brasil, o salário de quem atua no ramo ainda não é um dos mais altos, variando entre R$1.101 e R$2.609. Porém, as oportunidades de emprego são vastas e, certamente, com uma clínica própria ou trabalhando de forma autônoma já com um nome no mercado, os ganhos são bem maiores.

4. Psicologia

Como já adiantamos, profissões voltadas para o cuidado da mente estão em alta — e é aí que entra a psicologia. Existem diferentes abordagens dentro da área, e em todas o objetivo é atuar no diagnóstico, no tratamento e na prevenção de doenças e distúrbios relacionados ao comportamento e às emoções do ser humano.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, o Brasil é o país latino-americano com maior índice de depressão entre seus habitantes, o que faz aumentar a importância de profissionais que saibam analisar os sentimentos, traumas e outras questões de cunho pessoal dos pacientes.

salário do psicólogo gira entre R$1.832 a R$7.561 caso ele trabalhe em órgãos públicos ou empresas privadas. Porém, esse valor pode ser maior caso já tenha renome e trabalhe de forma autônoma em um consultório próprio.

5. Nutrição

Para promover um equilíbrio saudável entre o ser humano e a alimentação exista a figura do nutricionista. Ele atua em diversos espaços, como hospitais, restaurantes, hotéis e escolas.

O trabalho desse profissional é elaborar cardápios personalizados de acordo com os limites e necessidades de cada paciente, orientando-o a adotar uma vida alimentar mais saudável, com direito a um acompanhamento nutricional específico.

média salarial de um nutricionista é de R$2.447, mas pode sofrer alterações conforme a função ocupada e o local de atuação.

A importância da especialização

Independente da profissão em alta na área da saúde, será uma tarefa difícil alavancar a carreira se você não investir tempo e dedicação em uma especialização

Afinal, as demandas da população mudam constantemente e os profissionais precisam estar atentos a elas para oferecer o melhor atendimento e o tratamento mais correto. Buscar uma pós-graduação é um passo fundamental para se tornar um especialista na área e, consequentemente, uma pessoa mais qualificada e competente no ramo de atuação.

Isso significa que não basta saber quais são as profissões em alta se você não se mantiver atualizado constantemente. Ao fazer uma especialização, não apenas você ganha, mas também os seus pacientes, que recebem um serviço mais qualificado.

Gostou deste conteúdo? Então, compartilhe-o nas suas redes sociais para que os seus colegas também tenham acesso a essas informações!

25-nov-2019 às 16:15

Em busca de estabilidade financeira? Confira nossas 5 dicas!

Pagar todas as contas mensalmente, fazer aquela viagem dos sonhos, sair todo final de semana e ainda conseguir poupar dinheiro: tudo isso parece muito bom, não é mesmo? Essa pode ser a sua realidade se você tiver estabilidade financeira. Mas no Brasil mais de 40% dos adultos, totalizando 63 milhões de pessoas, têm dívidas atrasadas. Quase […]

Pagar todas as contas mensalmente, fazer aquela viagem dos sonhos, sair todo final de semana e ainda conseguir poupar dinheiro: tudo isso parece muito bom, não é mesmo? Essa pode ser a sua realidade se você tiver estabilidade financeira.

Mas no Brasil mais de 40% dos adultos, totalizando 63 milhões de pessoas, têm dívidas atrasadas. Quase metade da população sofre com a instabilidade das próprias finanças, por isso, saber se organizar financeiramente é fundamental para não entrar nessa estatística.

Pensando nisso, elaboramos este artigo com 5 dicas para ajudar você a conquistar a tão desejada estabilidade financeira. Acompanhe!

Qual é a importância de buscar estabilidade financeira?

Quem nunca se estressou por causa de dinheiro que atire a primeira pedra. Os recursos financeiros são fundamentais para a nossa sobrevivência, pois permitem que possamos nos alimentar, ter acesso a água, luz e outros itens básicos para o dia a dia.

A falta dele causa um prejuízo emocional, já que o receio de não conseguir pagar as contas em dia vira uma realidade constante. Com a estabilidade financeira, o estresse por causa disso é bastante reduzido, pois desde o início do mês você sabe que vai ter dinheiro para quitar os boletos.

Além disso, a independência financeira é capaz de melhorar a qualidade de vida, já que você passa a poder investir no próprio conforto. Isso inclui, por exemplo, a compra de eletrodomésticos e móveis melhores.

Ainda em relação ao consumo, com a estabilidade costuma vir também a conscientização sobre os próprios gastos. A vida, então, torna-se mais equilibrada, pois você não vê mais a necessidade de gastar constantemente com supérfluos ou coisas desnecessárias.

Quais são as melhores dicas para conquistar a estabilidade financeira?

Melhorar a relação com o dinheiro é algo que fornece diversos benefícios, então é importante investir tempo e dedicação nisso. Confira algumas dicas sobre o assunto!

1. Estudar sobre educação financeira

O primeiro passo para cuidar melhor do seu dinheiro é entender mais sobre a educação financeira. Para isso, você pode ler artigos, livros, ver vídeos e conversar com pessoas que entendem do assunto.

Só é possível ter conhecimento sobre educação financeira se você, de fato, estudar o tema. Inclusive, existem cursos online gratuitos com esse foco, então não existe desculpa para não buscar informações!

2. Investir parte dos seus rendimentos

Depois de estudar e pesquisar bastante sobre educação financeira, você se torna apto a ser investidor.

Existem diversos tipos de investimentos: alguns considerados mais arriscados, como as ações, e outros menos, como o Tesouro Direto. Se você deseja fazer um negócio bem seguro, uma boa opção é o Tesouro Selic, que ainda permite que o dinheiro seja resgatado a qualquer momento, ao contrário de grande parte dos outros investimentos.

O hábito de investir mensalmente aumenta significativamente o seu lucro, por isso é importante perder esse medo de investimentos e começar a agir.

3. Planejar o orçamento

Você sabe exatamente o quanto ganha e o quanto gasta todo mês? Se não, uma boa ideia é começar a anotar todas essas informações para elaborar o seu orçamento. Isso deve incluir todos os membros da família, considerando a renda de quem trabalha e os gastos dos filhos que recebem mesada, por exemplo.

Essa atividade vai fazer com que você veja quanto cada um gasta e recebe exatamente, permitindo um planejamento do orçamento no curto, médio ou no longo prazo. Durante essa análise, é possível identificar os custos que podem ser reduzidos e pensar em estratégias para aumentar a renda da família.

4. Eliminar e evitar dívidas

Ainda que fazer investimentos seja bastante benéfico para a sua saúde financeira, não dá para fazer isso se você ainda tem dívidas. Dessa forma, é importante ver os seus cartões de crédito, os empréstimos e qualquer outro tipo de dívida e pensar em formas de quitá-las.

Nesse momento, elabore uma lista com todas elas, colocando em ordem de prioridade as que têm maior taxa de juros. Depois disso, faça planos para economizar e comece a pagar as que estão no topo da lista.

Lembre-se de fazer isso até eliminar todas as dívidas e evite obter novas — para não ter que iniciar todo o processo novamente, pois isso retarda o seu grande objetivo que é conquistar a estabilidade financeira.

5. Pagar as contas antes do vencimento

É um hábito comum deixar para pagar as contas só na data do vencimento ou depois dele. Como você sabe, isso gera juros, o que não é nada indicado para quem deseja melhorar a relação com o dinheiro.

Assim que receber um boleto, trate de pagá-lo para não correr o risco de esquecer de quitá-lo na data correta. Aliás, existem algumas contas que ainda oferecem descontos caso sejam pagas antes do prazo.

Sempre que possível, coloque as despesas fixas em débito automático, pois isso facilita bastante o controle do pagamento.

Como uma carreira consolidada pode ajudar a atingir esse objetivo?

Conquistar empregos com boas remunerações impacta diretamente no modo como você lida com o dinheiro, afinal, com salários maiores, as chances de ter estabilidade financeira também são grandes, caso você saiba se organizar.

Para conseguir isso, é importante alavancar a carreira e consolidá-la — o que parece ser um desafio para muitas pessoas, mas não é algo tão difícil assim. Com capacitação e atualização contínuas, o profissional se torna mais qualificado e consegue cargos com remunerações mais altas.

É fundamental continuar investindo no conhecimento mesmo depois de formado, já que a alta competitividade do mercado de trabalho não permite que você fique estagnado caso queira alçar posições de destaque. Cursos como MBAs e as opções de pós-graduação podem auxiliar na busca por esse objetivo.

A estabilidade financeira é uma meta possível de ser conquistada, mas é preciso ter dedicação e elaborar estratégias para conquistá-la. Se você ainda não tem uma pós, o primeiro passo é buscar uma instituição de confiança e fazer a sua matrícula.

Se você é da área da saúde e tem interesse em aprofundar seus estudos, confira 6 opções de curso de pós-graduação!

25-nov-2019 às 16:12

Fisioterapia esportiva: conheça essa área de atuação

Para quem quer encontrar as melhores oportunidades no mercado e ter mais chances de conseguir as vagas, a atualização profissional deve ser uma prioridade na carreira. Por mais complicado que seja conciliar estudos e trabalho, buscar uma especialização pode ser uma boa saída. Na área da saúde a Fisioterapia Esportiva está em alta. Se você está em busca de cargos […]

Para quem quer encontrar as melhores oportunidades no mercado e ter mais chances de conseguir as vagas, a atualização profissional deve ser uma prioridade na carreira. Por mais complicado que seja conciliar estudos e trabalho, buscar uma especialização pode ser uma boa saída. Na área da saúde a Fisioterapia Esportiva está em alta.

Se você está em busca de cargos melhores e uma valorização financeira, um caminho é apostar em setores que estão em alta dentro do mercado em que você atua. Assim surge a possibilidade de trabalhar na área esportiva, aproveitando a demanda cada vez maior de pessoas interessadas em praticar atividades físicas.

Conseguir se especializar no assunto é uma forma eficaz de encontrar um diferencial competitivo para o seu currículo, aprimorando as suas capacidades na rotina de trabalho e, é claro, abrindo novas oportunidades e vagas. Que tal, então, se aprofundar no crescimento dessa área de atuação? Continue a leitura deste artigo e confira!

O que é a Fisioterapia Esportiva?

Antes de saber se uma especialização na área pode ser importante para o seu currículo ou não, é preciso entender o que a Fisioterapia Esportiva — que também pode ser chamada de Fisioterapia Desportiva — é uma especialidade focada em ações específicas para atletas, profissionais ou não, na busca por tratamento ou pela prevenção de lesões e/ou traumatismos.

O objetivo final é garantir que o atleta tenha um rendimento satisfatório e consiga praticar suas atividades físicas da forma mais saudável possível — em alguns casos, ainda possa aprimorar o seu desempenho. Como isso pode ser feito? Conhecendo profundamente o corpo do paciente e tomando os cuidados específicos para cada caso.

No esporte profissional, por exemplo, independente da modalidade, essa é uma função altamente requisitada — contando com pelo menos um profissional responsável. A competitividade também é alta no esporte, e todos querem tirar o máximo de seus atletas.

A partir do acompanhamento do desempenho e da evolução de cada esportista, é possível descobrir quais exercícios são os mais indicados para cada um, evitando lesões e potencializando o rendimento. Além disso, a Fisioterapia Esportiva é muito utilizada para o tratamento de lesões, trabalhando no processo de recuperação do corpo.

Quando falamos no ambiente profissional e de alto nível, a exigência em relação a quem ocupa esse cargo é ainda maior, afinal, é preciso conciliar a recuperação com a menor perda possível de rendimento. Essa é uma área repleta de desafios e diferentes atuações, que não se limita aos atletas de alto rendimento e performance.

Nos últimos anos, o número de atletas semiprofissionais aumentou muito, fazendo com que a busca por profissionais que possam ajudá-los a conquistar melhores resultados ou oferecer tratamentos mais eficientes para a recuperação também cresceu. As oportunidades, portanto, são muitas para quem decide trabalhar com Fisioterapia Esportiva.

Trabalhando próximo à Medicina Esportiva, o profissional que atua nessa área precisa dominar, por exemplo, a anatomia e a fisiologia, bem como a forma como ela impacta o nosso corpo. Se você quer expandir as suas possibilidades de atuação, a Fisioterapia Esportiva é um caminho extremamente válido.

Quais são os tratamentos utilizados nessa prática?

Uma das razões para o aumento da importância da Fisioterapia Esportiva no cenário atual é a variedade de tratamentos possíveis de serem aplicados. Sendo assim, pode-se identificar as melhores soluções para cada paciente, garantindo o tratamento mais eficiente para a recuperação de uma lesão ou para a melhora do rendimento.

Para que você entenda um pouco melhor como pode ser a rotina de trabalho de um profissional que atua na Fisioterapia Esportiva, separamos alguns dos tratamentos mais comuns e eficientes no trabalho de prevenção e no tratamento de luxações, entorses, tendinites e outras lesões. Confira!

Terapia Manual

Um dos métodos mais tradicionais de tratamento na fisioterapia — e não é diferente quando levamos para o esporte — é a terapia manual. O objetivo é solucionar um incômodo, fortalecer uma região, corrigir desequilíbrios posturais e biomecânicos ou entender a relação entre a lesão e um músculo por meio de técnicas manuais específicas.

Terapia Funcional

Esse método é utilizado para facilitar o entendimento e a consciência corporal do paciente, permitindo que ele consiga lidar melhor com a relação entre a mente e o corpo. A partir de exercícios de baixo impacto e menor intensidade, é possível corrigir problemas de postura ou auxiliar no tratamento de lesões e/ou traumatismos.

Eletroterapia

Aplicando correntes elétricas no corpo, é possível fortalecer ou relaxar os músculos, reduzir edemas e até mesmo fornecer um efeito analgésico. Existem diversos tipos de aplicação dentro desse método, cada um de acordo com a situação e o objetivo do paciente, mas sempre produzindo um efeito na região a ser tratada.

Massoterapia

Melhora do fluxo sanguíneo, relaxamento muscular e até mesmo o alívio das dores após uma atividade física são os principais objetivos da massoterapia dentro da Fisioterapia Esportiva. Esse é um tipo de massagem que tem um foco maior do que apenas o relaxamento, podendo prevenir lesões e aliviar dores musculares.

Além desses 4 métodos de trabalho dentro da Fisioterapia Esportiva, outras técnicas e práticas são muito eficientes na busca pela prevenção e pela recuperação de lesões:

  • biofeedback de EMG;
  • estabilização segmentar;
  • bandagens funcionais;
  • musculação;
  • pilates;
  • eletromiografia;
  • cinesioterapia.

É preciso lembrar que cada um desses métodos tem um objetivo e uma utilização específica, com diferentes abordagens para a solução de um problema. Por isso, é importante sempre levar em consideração a estrutura disponível no seu ambiente de trabalho e, ainda mais fundamental, o perfil de cada um dos seus pacientes.

Qual é a situação atual do mercado para o Fisioterapeuta Esportivo?

Outro ponto importante e que precisa ser compreendido antes de encontrar uma área ou um assunto para se especializar é o mercado no momento. No caso da Fisioterapia Esportiva não existe hora mais propícia para investir em uma carreira e/ou especialização na área do que agora — um momento marcado pela conscientização da população.

De acordo com a Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) do Ministério da Saúde, a prática regular de atividades físicas contribui diretamente para a redução de mortes por doenças crônicas no Brasil. Mais consciente, o brasileiro percebeu que era hora de mudar.

Não à toa: o número de praticantes de atividades físicas aumentou consideravelmente nos últimos anos. O mesmo estudo indica um crescimento de 24,1% na quantidade de praticantes de exercícios no intervalo de uma década — entre 2006 e 2017. Soma-se a isso o incentivo gerado pela Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos.

Na prática, mais pessoas estão interessadas e dispostas a se exercitarem, o que é bom para a saúde e, é claro, para quem trabalha na área. Isso significa mais clientes em potencial para quem se especializou em Fisioterapia Desportiva. Como mostramos acima, não é só do ambiente profissional e de alto rendimento que esse profissional vive.

Possibilidades de atuação

As possibilidades de atuação são as mais diversas, permitindo que você escolha trabalhar na área em que mais se sente à vontade. Geralmente o profissional acaba escolhendo um esporte específico para segmentar ainda mais a sua atuação, tornando-se um especialista em fisioterapia para atletas de determinada modalidade — clubes e equipes profissionais, federações e confederações esportivas, academias, clínicas e até mesmo atendimento pessoal. 

Além disso, é possível se reunir com outros profissionais de diferentes setores e montar uma equipe multidisciplinar. A ideia é unir diferentes conceitos, estratégias e abordagens na busca por um tratamento mais eficiente.

As equipes são compostas por nutricionistas, médicos, fisioterapeutas, enfermeiros e qualquer profissional da saúde que possa ser útil na busca por tratamentos mais precisos. Juntando esses conhecimentos, é possível tirar o máximo de cada atleta, trabalhando em todas as frentes para garantir uma recuperação mais rápida e/ou a prevenção de lesões.

Em tempos marcados pela necessidade de resultados mais rápidos e um tratamento que não foque apenas na região da lesão, uma equipe multidisciplinar pode ser uma alternativa excelente para se encaixar no mercado de trabalho. Ao oferecer mais segurança aos pacientes, você acaba investindo em um diferencial competitivo para a sua carreira.

Essas são algumas das principais possibilidades de atuação para quem decide se especializar em Fisioterapia Esportiva. De acordo com os objetivos e as metas para a carreira profissional, quem trabalha na área lida com uma ampla gama de opções, que abraçam diferentes perfis profissionais na busca por melhores tratamentos e métodos.

Perfil profissional da área

Além disso, é importante saber qual o perfil profissional de quem já atua na área da Fisioterapia Esportiva. Assim, você pode conhecer mais sobre o que o mercado procura e, é claro, como encontrar diferenciais competitivos para que você se destaque aos olhos de recrutadores e possíveis interessados no seu currículo profissional.

Segundo informações da Catho, 95% dos profissionais que atuam na área são graduados em Fisioterapia e 75% deles já realizaram uma pós-graduação. Um ponto a ser destacado e que pode ser explorado é o domínio de outros idiomas.

O mesmo levantamento indica que apenas 33% dos fisioterapeutas esportivos têm inglês intermediário. Sendo assim, fazer um curso para aprender outra língua ou fortalecer o idioma que você já conhece pode ser um diferencial para que você abra novas oportunidades e possíveis cargos no mercado de trabalho.

Por falar em perfil, o mercado busca nessa área os profissionais que sabem lidar com a pressão de entregar resultados positivos no trabalho de recuperação e rendimento — muitas vezes ao mesmo tempo ou no menor espaço possível. O cuidado com o atleta é um pouco diferente, já que você não pode reduzir a importância de nenhum dos dois trabalhos.

Além disso, é preciso estar constantemente em busca de novas informações, procedimentos e técnicas a serem aplicadas, afinal, a medicina esportiva evoluiu bastante nos últimos anos, e os profissionais do setor precisam estar atentos para encontrar os métodos mais eficazes na busca pelos objetivos de cada paciente.

O paciente também costuma ser mais exigente, sempre na busca por uma melhora no seu rendimento — seja na redução do número de lesões, seja em uma recuperação mais rápida —, e o profissional da Fisioterapia Esportiva precisa saber lidar com essa pressão. Aliar conhecimento e produtividade para oferecer um trabalho, de fato, efetivo.

Média salarial

Um dos motivos para aprimorar o currículo é a valorização financeira, certo? É claro que outras razões contribuem para que você procure se especializar na área da saúde, como a maior oferta de vagas ou até mesmo oportunidades de vagas mais interessantes para a sua carreira profissional. A parte financeira, porém, também é importante.

De acordo com o site de empregos Catho, a média salarial de quem acabou de se formar é de pouco mais de R$ 1.700, com variações por conta da região do Brasil e, é claro, da experiência do profissional. O Sine (Site Nacional de Empregos) indica, por exemplo, que é possível ganhar cerca de R$ 2.800 nas mesmas condições.

As possibilidades de crescimento, porém, são muitas, tornando possível se valorizar profissionalmente ao especializar o seu trabalho. Com outros cursos e especializações, você consegue encontrar diferentes oportunidades de emprego e pode almejar cargos ainda mais altos, até mesmo como gestor ou coordenador do setor.

Caso seja do seu interesse, você pode investir em outras especializações, como uma pós-graduação em Biomecânica e Fisiologia aplicadas ao Exercício Físico ou em Nutrição, ampliando os seus conhecimentos e as possibilidades de atuação. Quanto mais diferenciais, maiores são as suas chances de se destacar no mercado.

mercado de trabalho da Fisioterapia vive um momento de alta, com mais praticantes — clientes em potencial. Por isso é possível se encaixar no setor esportivo com mais facilidade, permitindo que o profissional da área possa escolher a função que mais lhe agrada.

Quais são os principais benefícios de atuar com Fisioterapia Esportiva?

A Fisioterapia Esportiva oferece outros benefícios ao profissional que decide atuar nesse setor. Essas vantagens não estão somente ligadas ao salário, aos cargos ou às oportunidades, mas também ao dia a dia de trabalho e o que pode ser feito na relação com o paciente.

A principal vantagem é a possibilidade de atuar em todos os níveis de atenção do atleta, ou seja, você não precisa lidar apenas com a recuperação ou a prevenção: é possível fazer um trabalho muito mais completo. Ao estudar a fundo cada um dos seus clientes, você vai ser capaz de traçar os tratamentos e as técnicas que podem funcionar com ele.

Em seguida, você tem a liberdade para trabalhar em diferentes áreas na busca pelo objetivo traçado pelo paciente. Vamos supor que ele tenha chegado ao seu consultório por conta de uma lesão. O seu trabalho não vai se resumir ao tratamento desse problema, mas à prevenção e, é claro, ao aprimoramento do rendimento do atleta.

O trabalho do Fisioterapeuta Esportivo também é encontrar os melhores exercícios e as práticas para cada um dos seus pacientes, guiando a pessoa para a prática de atividades que potencializem o seu desempenho e, é claro, ajudem no trabalho de prevenção de lesões.

A Fisioterapia Esportiva oferece mais liberdade ao profissional que deseja atuar na área, podendo escolher diferentes esportes, modalidades, metodologias de trabalho ou até mesmo público-alvo para oferecer os seus serviços. Tudo isso contribui diretamente para a sua satisfação profissional e aumenta as suas chances de encontrar as vagas mais interessantes.

Quais são as formas de se tornar um especialista no assunto?

Se você gostou das possibilidades que o mercado de trabalho para a Fisioterapia Esportiva tem a oferecer, é hora de procurar um caminho para se especializar e atuar na área, certo? O primeiro passo é realizar uma graduação em Fisioterapia, um curso que dura entre 4 e 5 anos.

Em seguida, a melhor opção é se matricular em uma pós-graduação em Fisioterapia que atenda aos requisitos que você procura.

Antes de definir a pós-graduação, algumas perguntas precisam ser respondidas, pensando principalmente no seu perfil de trabalho e o que você quer para o seu futuro profissional. Conhecer a estrutura da instituição, por exemplo, pode ser importante, mas e as aulas práticas? Como são feitas? Analisar o corpo docente também é fundamental para ter uma experiência positiva.

O mercado procura profissionais que estejam atualizados e que sempre encontrem maneiras de aprimorar o seu desempenho no ambiente de trabalho. Ao realizar uma pós-graduação ou um MBA no assunto, você aproveita inúmeros benefícios, entre eles o reconhecimento e a valorização por parte do mercado e dos recrutadores.

Qual é a importância de fazer uma pós-graduação?

A primeira vantagem de fazer uma pós-graduação é o conhecimento: você vai se especializar em um assunto, aprendendo o máximo de informações sobre determinado setor, dominando a área e podendo atuar com uma desenvoltura melhor. Além disso, uma especialização aumenta as suas chances de conseguir uma vaga por conta do reconhecimento do seu valor.

Por melhor que tenha sido a sua graduação, muitos conceitos já foram alterados, novas metodologias são testadas e implementadas, e há diversos pontos de aprendizado que você pode aproveitar. Atualizar-se também é parte importante para que você consiga destacar o seu currículo ao realizar um trabalho mais produtivo e eficiente no seu dia a dia.

Outra questão primordial ao realizar uma pós é o networking. Sim, conhecer mais pessoas pode aumentar as suas chances de conseguir uma nova vaga ou um cargo que esteja mais de acordo com o seu perfil profissional. Isso acontece porque você vai ter contato com profissionais de diferentes setores e origens, fornecendo diferentes opções de vaga, por exemplo.

Além disso, você pode se juntar a outros estudantes do curso na busca por um emprego. Em uma pós-graduação de Fisioterapia Esportiva você vai lidar com profissionais de diferentes setores. Quem sabe você não monta a sua própria equipe multidisciplinar e cria um verdadeiro diferencial competitivo?

Por fim, você consegue descobrir com mais facilidade o que pode destacar o seu currículo dos outros. Sendo assim, na hora de se candidatar às melhores vagas disponíveis no mercado, você vai saber exatamente qual é o seu diferencial competitivo, chamando a atenção dos recrutadores pelo que de melhor você sabe fazer.

A Fisioterapia Esportiva é uma excelente opção para quem quer criar um plano de carreira e conseguir melhores vagas. Além de ser uma área em expansão no país, o mercado valoriza cada vez mais o profissional que exerce essa função e ainda possibilita diversas opções de atuação, aumentando as suas chances de sucesso profissional.

Escolhendo a instituição de ensino adequada para o seu perfil e de acordo com as suas preferências, é possível se especializar no assunto e desenvolver uma carreira sólida na área da Fisioterapia Desportiva. Aproveite o networking e as diversas opções de atuação no setor para criar uma carreira profissional de sucesso!

Gostou deste conteúdo? Conseguimos tirar as suas dúvidas sobre a Fisioterapia Esportiva? Esperamos que sim! Agora, que tal conferir outros artigos com dicas para a sua carreira profissional? Assine a nossa newsletter e receba os nossos conteúdos em primeira mão, diretamente na sua caixa de e-mails!

 
 
07-nov-2019 às 14:50

5 dicas para melhorar o currículo e se destacar no trabalho

O mercado de trabalho está cada vez mais competitivo e, para se destacar em meio à tanta concorrência, é fundamental pensar em maneiras de melhorar o currículo. Por mais que a rotina corrida e as obrigações profissionais nem sempre facilitem essa tarefa, é importante encontrar tempo para garantir que você mostre o seu melhor. Seja com um […]

O mercado de trabalho está cada vez mais competitivo e, para se destacar em meio à tanta concorrência, é fundamental pensar em maneiras de melhorar o currículo. Por mais que a rotina corrida e as obrigações profissionais nem sempre facilitem essa tarefa, é importante encontrar tempo para garantir que você mostre o seu melhor.

Seja com um novo curso, um evento que você participou, experiências como voluntário, seja até mesmo na formatação do seu currículo: na hora de procurar novas oportunidades de trabalho, qualquer detalhe pode fazer uma enorme diferença entre o cargo que você almeja e a vaga que você, de fato, conquistou.

Sendo assim, preparamos este post com 5 dicas para que você continue ganhando experiência e consiga aprimorar o seu currículo regularmente em busca das melhores oportunidades de emprego. Além disso, vamos trazer algumas dicas para evitar erros na hora de formatar o documento. Ficou interessado? Então continue a leitura!

Qual a importância de ter um currículo atualizado?

Encontrar uma vaga no mercado de trabalho não é fácil e, quando isso acontece, é comum relaxarmos e focarmos apenas em nossas obrigações e responsabilidades do novo cargo, certo? Isso é ótimo, porém, é importante não deixarmos de lado as oportunidades para melhorar o currículo regularmente, já que a atualização se tornou vital nos dias de hoje.

Um profissional que não adiciona novas experiências e competências à sua bagagem pode ser visto pelo mercado como alguém acomodado e que não tem interesse em melhorar o seu desempenho no ambiente de trabalho. Portanto, é fundamental buscar atividades que incrementem as suas habilidades.

Além disso, outro ponto que deve ser considerado é a valorização financeira. De acordo com um estudo da Catho Educação, uma pós-graduação pode aumentar o salário de um analista em quase 15%. Para cargos mais altos, como de coordenador, a valorização chega aos 53%. Mais um motivo para você melhorar o currículo com certa frequência.

Quais as 5 ações essenciais para criar um currículo atraente?

Os benefícios são muitos, e o mercado procura profissionais que queiram sempre se desenvolver. Agora, que tal saber quais são as principais ações que vão ajudar a melhorar o currículo? Separamos cinco dicas para você. Confira!

1. Aprimorar os estudos com uma pós-graduação

A graduação é excelente, porém, já não é o suficiente para chamar a atenção de recrutadores e empresas. Portanto, escolher uma pós-graduação pode ser a saída ideal para dar um up no seu currículo, permitindo que você se atualize sobre novos conceitos e ferramentas da sua área de atuação. Além disso, será possível fortalecer o seu networking.

Para quem trabalha na área da saúde, por exemplo, fazer um curso de Biomedicina Estética pode ser uma alternativa válida. Assim, além de retomar os estudos e se atualizar profissionalmente, você pode se tornar especialista em determinado assunto e ter um verdadeiro diferencial competitivo.

2. Estudar uma língua estrangeira

Por mais que você não use em seu dia a dia, saber falar e entender uma língua estrangeira pode ser muito importante para o desenvolvimento da sua carreira. Afinal, com a globalização, a tendência é que as barreiras diminuam entre os países e a troca de conhecimento e experiências seja maior.

3. Participar de eventos na área

Outra forma de melhorar o currículo é participar de palestras, debates e eventos da sua área de atuação. Além de ser excelente para fazer novos contatos no mercado, é uma maneira de se atualizar sobre assuntos relevantes no setor e absorver mais conhecimento com outros profissionais e especialistas.

4. Realizar cursos livres

Por mais que alguns cursos livres não tenham uma duração longa ou até mesmo não sejam reconhecidos pelo MEC (Ministério da Educação), podem ser uma opção prática para aprender sobre novos assuntos e, é claro, melhorar o currículo. De forma mais rápida, você pode obter conhecimento sobre assuntos e temas mais específicos.

5. Fazer cursos online

Uma justificativa muito comum para explicar a ausência de atualizações no documento é a falta de tempo e/ou disposição para as aulas, certo? Agora, esse argumento pode ser descartado. Existem diversas opções de ensino a distância que podem ajudar no desenvolvimento da sua carreira e são mais fáceis de encaixar na sua rotina.

Quais os 3 erros mais comuns na formatação do currículo?

Como não queremos deixar você na mão, vamos trazer um bônus: listamos os 3 principais erros na hora de formatar o currículo. Uma ação importante, afinal, não basta melhorar o documento; é preciso passar a mensagem certa para quem estiver interessado no seu trabalho.

1. Currículo muito longo

Por mais que você tenha inúmeras experiências e queira mostrar para os recrutadores, é preciso saber resumir. O ideal é que as informações sobre a sua carreira profissional estejam dispostas em, no máximo, uma página. Assim, será possível visualizar todas as suas experiências e, quando necessário, buscar mais explicações.

2. Informações desnecessárias

Caso você tenha uma graduação concluída, qual o sentido de colocar a sua formação no Ensino Médio? Nenhum. Portanto, evite informações desnecessárias e que agregam pouco ao seu currículo. Tente utilizar o espaço disponível para colocar o que realmente é importante e que pode aumentar as suas chances de contratação, por exemplo.

3. Formatação não adaptável

Você não precisa mudar o documento para todas as vagas em que se inscreve, mas é preciso saber adaptar as informações — e até mesmo a formatação — de acordo com os dados da oferta. Ou seja, ajustá-lo para que se encaixe no que os recrutadores estão procurando.

Melhorar o currículo é, portanto, uma ação que deve ser recorrente para quem busca mais — e melhores — oportunidades no mercado de trabalho. Ao se atualizar constantemente, você garante não só mais conhecimento, mas também passa a ser mais valorizado pelas empresas, seja para novas chances, seja para garantir um aumento.

Conseguimos tirar as suas dúvidas sobre as principais práticas para melhorar o currículo? Esperamos que sim! Saiba que temos muito mais a oferecer para você e a sua carreira profissional. Que tal, então, seguir as nossas páginas nas redes sociais e conferir outros conteúdos como este? Estamos no InstagramFacebookLinkedIn e Twitter!